sexta-feira, 12 de julho de 2013

Johnny Depp negocia continuação de “Alice no País das Maravilhas”

A produtora de Johnny Depp, Infinitum Nihil, está negociando com a Walt Disney Pictures, a produção da sequência de “Alice no País das Maravilhas”, que segundo rumores, será dirigido por James Bobin, com roteiro escrito novamente por Linda Woolverton, cujo título provisório é “Through the Looking Glass”. Johnny certamente irá reprisar seu papel de Chapeleiro Maluco. É o que relata a Variety.
O primeiro filme foi baseado nos livros “As aventuras de Alice no País das Maravilhas” e “Alice – Através do Espelho” escritos por Lewis Carroll, e estrelado por Johnny Depp, Anne Hathaway, Helena Bonham Carter, Crispin Glover, Matt Lucas, Mia Wasikowska, Alan Rickman, Stephen Fry, Michael Sheen, Timothy Spall, Christopher Lee, Paul Whitehouse e Barbara Windsor. A direção tinha ficado por conta de Tim Burton, e o filme chegou a faturar cerca de um bilhão de dólares no mundo todo.
Atualmente, Johnny Depp está envolvido com as produções “Piratas do Caribe 5″, dos diretores Joachim Ronning e Espen Sandberg, responsáveis por Kon-Tiki, e também há relatos de que ele irá estrelar o filme “Mortdecai” da Lionsgate.
14_alice_in_wonderland
Johnny Depp como Chapeleiro Maluco em “Alice no País das Maravilhas”


via   CINEGEEK

Bruce Lee e Johnny Depp estampam as capas de julho da Rolling Stone Brasil

Capas - julho


A edição do mês de julho da Rolling Stone Brasil chega às bancas com duas capas diferentes (e conteúdo idêntico): Bruce Lee, que mesmo após 40 anos de sua morte continua sendo o ídolo máximo das artes marciais, e Johnny Depp, um astro que chega aos 50 anos com novas resoluções de vida.
Clique nos links abaixo para ver fotos e ler trechos das reportagens. A revista chega às bancas de São Paulo nesta sexta, 12, e nos demais estados a partir da semana que vem.

Transcendence | Ficção científica com Johnny Depp ganha foto de set e featurette em chinês

Veja também um pôster teaser da estreia de Wally Pfister na direção


Transcendence, a estreia na direção de Wally Pfister, vencedor do Oscar pela fotografia de A Origem, ganhou a sua primeira imagem de bastidores, além de um featurette e um pôster teaser editados para o mercado chinês:
Transcendence
Featurette:
Pôster teaser:
Transcendence
Na trama, cientistas trabalham para criar o primeiro computador com consciência. Quando um grupo de terroristas antitecnologia assassinam um dos pesquisadores (vivido por Johnny Depp), a esposa (Rebecca Hall) do cientista faz um upload do cérebro do marido para o protótipo do computador. Inicialmente, ela entende que o experimento fracassou, mas logo percebe que a mente dele está viva dentro da máquina. Jack Paglen  assina o roteiro.
Kate MaraPaul BettanyCory HardrictCole Hauser, Cillian Murphy e Morgan Freemantambém estão no elenco. Christopher Nolan cuida da produção-executiva - Pfister é colaborador constante do cineasta; ele fez a fotografia de todos os filmes de Nolan desdeAmnésia.
A Warner lança Transcendence em 18 de abril de 2014.
Leia mais sobre Transcendence
via  Omelete

Estreia: Johnny Depp como índio é a melhor atração de 'Cavaleiro solitário'

Filme tem pouco a oferecer além do carisma e bom humor do protagonista.
Longa cheio de cenas de perseguição estreia no Brasil na sexta-feira (12).




Johnny Depp em 'O Cavaleiro Solitário' (2013) (Foto: Divulgação)Johnny Depp em 'O Cavaleiro Solitário' (2013) (Foto: Divulgação)
Mais uma vez, Johnny Depp salva o dia. Como na franquia "Piratas do Caribe", o ator se torna a razão de ser de "O cavaleiro solitário", que, embora uma aventura bem intencionada, oferece apenas um pouco mais além do carisma e bom humor de Depp e infindáveis cenas de perseguição.
Baseado no famoso personagem criado por George Washington Trendle, cujo aparecimento data da década de 1930, no rádio, o longa conta as origens dessa figura, que aqui é interpretado por Armie Hammer ("Espelho, espelho meu"). O longa estreia em cópias legendadas e dubladas no Brasil na sexta-feira (11).
Diretor dos três primeiros "Piratas do Caribe", Gore Verbinski assume a franquia em potencial, apresentando o Cavaleiro Solitário (Armie Hammer), rapaz formado em direito que é obrigado a deixar os bons modos e a oratória de lado, ao descobrir uma conspiração criminosa por trás da construção de ferrovias, da exploração da prata e contra os nativos americanos.
A trama é emoldurada pelo personagem de Depp, um índio chamado Tonto, que está empalhado em exposição num museu em San Francisco, na década de 1930. Já envelhecido, ele ganha vida e começa a contar a um garotinho a história do Cavaleiro.
Portando uma máscara negra, o Cavaleiro Solitário é facilmente confundido com Zorro - tanto que no Brasil, por um tempo levou esse nome - mas é um tanto diferente. Ele é um Ranger, uma espécie de xerife do Texas, que jura vingar a morte do irmão (James Badge Dale) e descobre uma conspiração por trás de seu assassinato.
No fundo, trata-se da história da transformação de um rapaz, que, originalmente se chama John, num homem feito, ao deixar de lado seus conhecimentos apenas acadêmicos e enfrentar o mundo real. Nada mais do que um filme sobre os bons e velhos ritos de passagem.
Tonto, por outro lado, é um personagem mais complexo devido às implicações morais que recaem sobre ele. Supostamente um traidor de sua tribo, ele se torna o escudeiro improvável de John, ao mesmo tempo que tenta provar sua inocência.
Ele transita entre o estereótipo do Bom Selvagem e um nativo que tenta afirmar a sua identidade num momento em que está sufocada, e seu povo sendo satanizado e dizimado. Os toques de humor ajudam, mas em momento algum escondem a real natureza do personagem, no fundo, um rebelde lutando por sua causa.
A ação custa um pouco a decolar, no começo, mas quando isso acontece, desenrola-se uma aventura tecnicamente muito bem-feita, às vezes meio rocambolesca, sem que isso se torne propriamente um problema. Pois o objetivo aqui são as cenas de perseguição, a correria e, claro, a sensacional trilha sonora com trechos da ópera "Guilherme Tell", de Rossini, a música-tema do seriado da televisão.
Depp é engraçado, mas também sabe exatamente do que está falando. Armie, por sua vez, tem o charme e o carisma de que o personagem necessita. Um pequeno porém está na duração. É como se fossem dois filmes em um: as origens do Cavaleiro Solitário mais uma primeira aventura. Explica-se de onde ele vem e porque luta, mas só não se explica porque ainda é chamado de solitário se tem Tonto como companheiro.
(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)
* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb
via  EGO

AS MIL FACES DE JOHNNY DEPP

JOHNNY DEPP

JOHNNY DEPP

HUMOR DA NAHH

The current mood of nahh at nahh