segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

15 Papéis Você Não Teve Nenhuma Idéia Johnny Depp atuou





Nós todos sabemos que ele jogou o capitão Jack Sparrow e o Hatter louco, mas há alguns papéis que Johnny Depp fez, que parecem ter escorregado bem debaixo do radar! Claro, eles podem não ser tão popular como o capitão Jack, mas Johnny ainda fez um grande trabalho realizá-los. Muitos deles estavam muito antes de seus anos Piratas do Caribe , o que explica por que os fãs mais jovens nunca poderia ter ouvido falar deles até agora. Alguns deles eram partes de voz, então você provavelmente não tinha idéia de que era Johnny por trás do personagem, e alguns deles eram tão excêntricos com maquiagem tão pesada que ninguém podia culpá-lo por não perceber qual ator você estava olhando! O que sabemos com os seguintes personagens é que Johnny é definitivamente um homem de imenso talento com uma habilidade quase incomparável para ser versátil! Continue lendo para descobrir 15 papéis que você não tinha idéia de que Johnny Depp atuou.



15. O Grande Lobo Mau

Este papel foi bastante recente, mas é totalmente possível que você não pegou foi Johnny Depp se você não prestar atenção aos créditos!Into the Woods é a fantasia de todos os amantes de conto de fadas e apresenta um monte de atores e atrizes de alto nível interpretando vários personagens de fábulas amadas em um grande enredo entrelaçado. Johnny aparece como o Big Bad Wolf, mas ele só está na tela por um tempo muito curto. Além disso, ele está vestindo uma fantasia, por isso é um piscar-e-você-miss-it tipo de situação! Como todos sabemos, o Big Bad Wolf não é o personagem mais bonito em Little Red Riding Hood, e desempenho Johnny é tão on-point que realmente dá a sua coluna um frio. Quantos atores conseguem cantar uma canção enquanto usam um terno metálico, delineador, uma cauda peluda falsa e orelhas falsas, e ainda acabam sendo assustador e carismático ao mesmo tempo ?! Isso é um grande trabalho!

14. Jack Kahuna Laguna



Você está totalmente perdoado por não saber que esse personagem é interpretado por Johnny Depp, porque ele é um desenho animado! Jack Kahuna Laguna aparece em um episódio da sexta temporada de SpongeBob SquarePants direito SpongeBob SquarePants vs. The Big One , e, novamente, se você não ver os créditos, você provavelmente não tinha ideia de que ele é dublado por Johnny! Neste episódio, SpongeBob, Patrick e Squidward necessidade de navegar de volta para Bikini Bottom e procurar o surfista final Jack Kahuna Laguna para ensiná-los como. Ele garante que eles estão preparados para montar uma onda gigantesca chamada "The Big One", que é tão brutal que exige um sacrifício. Jack age como um sacrifício para eles e eles chegam em casa. Abençoe! O sotaque de surfista de Johnny e o comportamento descontraído para este personagem são definitivamente vale a pena ouvir, e tem sido dito que Johnny aceitou o papel no primeiro lugar porque seus filhos adoraram o show.

13. Victor Van Dort



Johnny pode retirar caricaturas e animações de voz bem! Em 2005's Corpse Bride, Johnny interpreta Victor Van Dort, um noivo tímido que tem alguma grande ansiedade sobre casar com uma mulher que ele realmente não conhece. Em um momento de medo, ele corre para o bosque e pratica seus votos quando pensa que está sozinho, mas seu fazer isso leva uma mulher morta enterrada no chão para acreditar que ele realmente se casou com ela em seu lugar. Então ele tem um bocado para lidar com! Este personagem é tão nervoso e calmo que você quase quer comê-lo. Não há nada que nós amamos mais do que um tímido e bumbling Johnny Depp-ele apenas nos lembra de Edward Scissorhands! Este filme é também uma produção de Tim Burton, e sabemos que Johnny e Tim geralmente vêm com coisas incríveis juntos. Nós recomendamos ver este, mesmo se você não é uma criança!

12. Sheldon Sands



Este é um personagem maluco! Johnny desempenha o papel de Sheldon Sands em Once Upon a Time no México , um agente da CIA que está tentando parar o assassinato do Presidente do México, basicamente, contratando e rastreando homens atingidos. ALERTA DE SPOILER: durante o filme, um de seus planos vai mal e ele é capturado pelo inimigo e cegado de uma maneira muito horrível. Este é um papel brutal e definitivamente não é algo que alcançou tanta publicidade como alguns dos outros papéis Johnny mais familiar, embora Sands não compartilhar algumas das idiossincrasias peculiares que podem ser notados em outros personagens de Johnny! Baseado em um homem que Johnny conhecia em Hollywood, Sands usa camisas turísticas cheesy, é obcecado secretamente com Broadway, e tem uma coisa para desgastar disfarces óbvios. JD disse que o homem "do lado de fora era muito charmoso", embora estivesse claro que não se podia confiar nele. Yay para complexidades de caráter!

11. Raoul Duke


Raoul Duke é outro dos personagens menos conhecidos de Johnny que não é tão familiar! Raoul aparece no filme de 1998 Medo e desprezo em Las Vegas , que é sobre um jornalista estranho e seu advogado psicopata que viajam para Las Vegas para que Raoul pode escrever sobre a Mint 400 corrida de motocicleta. Mas enquanto eles estão lá, os homens experimentam uma série de episódios como resultado de tomar certas substâncias. Raoul tem um pouco de dificuldade em navegar no mundo real enquanto ele alucina e vê as pessoas ao seu redor como enguias e lagartos. Durante suas escapadas psicodélicas, ele também entra em algumas conversas aquecidas com a limpeza, trashes o quarto de hotel, e tenta comprar um orangotango. A palavra "estranho" nem sequer começa a cobrir este filme, e Johnny Depp também é quase irreconhecível! Ele gasta o filme inteiro murmurando (não de uma forma linda) e suando, e é quase calvo. Não nosso papel favorito!

10. Ed Wood



Johnny interpreta o papel de Ed Wood em outro filme de Tim Burton do mesmo nome. Isso saiu em 1994, então você pode ter perdido! Totalmente em preto-e-branco, este filme segue a verdadeira história do diretor Ed Wood, ele tenta entrar na indústria cinematográfica. Sarah Jessica Parker interpreta a namorada de Ed, Dolores, mas não está bem quando Ed se veste de roupas femininas para se acalmar do estresse de seu trabalho. Tudo funciona bem para Ed, no entanto, porque ele conhece Kathy, interpretado por Patricia Arquette, que é um pouco mais compreensivo, e os dois acabam casando no final! Johnny brilha neste e disse que fazê-lo "rejuvenescido" o seu amor por agir em um momento em que ele estava crescendo para desprezá-lo. Talvez se ele não tivesse feito isso, ele teria desistido completamente, o que é um pensamento assustador!

9. Raphael



Raphael em 1997, The Brave foi um dos papéis mais tristes de Johnny, mas como de costume, ele pregou! Esta é a história de um homem americano nativo que é liberado apenas da cadeia e não tem nenhuma idéia como está indo fornecer para sua esposa e crianças. Eles vivem em uma comunidade remota e ele vende coisas para apenas passar. Ele então tem a oportunidade de estrelar um filme de rapé, para o qual ele receberá uma quantidade de dinheiro que muda a vida. Em última análise, ele toma a decisão de dar sua vida no filme em troca de dinheiro suficiente para sua família para sobreviver. Em outras palavras, Raphael é um exemplo ambulante do que significa ser corajoso e desfruta sua última semana com sua família antes de se sacrificar por seu bem-estar. Johnny não só estrelas neste, mas também dirige e co-escreveu o roteiro com seu irmão. Fale sobre talento!

8. Donnie Brasco


Donnie Brasco foi um sucesso de bilheteria e nomeado para um Oscar, mas ainda é possível que você perdeu desde que saiu em 1997! Aqui Johnny joga Joe Pistone, um agente do FBI que infiltra a máfia disfarçada como ladrão de jóias Donnie Brasco. Esta é outra história verdadeira, e embora Joe está realmente trabalhando para trazer os membros da máfia para a justiça, ele enfrenta uma crise moral como ele descobre que ele se identifica com seu estilo de vida e adota o comportamento de um criminoso, negligenciando o seu antigo eu. As coisas ficam bastante intensas quando Joe bate na mulher e percebe que ele é basicamente um dos homens que ele deveria estar pegando, e então sua verdadeira identidade é revelada aos mafiosos, o que acabará por resultar na morte de seu novo amigo mafioso, Lefty, Que o trouxe para dentro da gangue. Não é um filme feliz, mas achamos que é um dos melhores de Johnny!



7. Ichabod Crane




Aqui Johnny estrelas em outro filme de terror gótico por Tim Burton! Originalmente saindo em 1999, Sleepy Hollow apresenta o agente da polícia de Nova York, Ichabod Crane, interpretado por Johnny, que é enviado para Sleepy Hollow no final do século XVIII para investigar os assassinatos de três pessoas. O tema forte neste aqui é, uh, cabeças em falta. As vítimas estão todas decapitadas e os moradores acreditam que os assassinatos foram cometidos por um cavaleiro sem cabeça que é realmente o fantasma de um soldado da Guerra Revolucionária Americana à procura de sua própria cabeça. É um bocado de um assunto pegajoso, mas pelo menos há um término feliz neste! Nós pessoalmente preferimos ver Johnny como o bom rapaz, embora ele faça um vilão muito convincente também. Ele também estrela em frente Christina Ricci, e os dois têm alguma química séria. Portanto, se você ainda não viu Sleepy Hollow ainda, recomendamos fazê-lo o mais rápido possível!




6. Don Juan DeMarco

Lançado em 1994, Don Juan DeMarco é sobre um paciente psiquiátrico de 21 anos que acredita que ele é Don Juan, o amante mais famoso do mundo. Mesmo que ele está jogando um homem que é delirante, Johnny totalmente ternos Zorro-como traje e sotaque, e nós secretamente não se importaria de ser varrido fora de nossos pés com suas travessuras! Don Juan DeMarco, cujo verdadeiro nome é John Arnold DeMarco, confunde a equipe de psiquiatras, faz alguns deles rirem e até mesmo traz algumas enfermeiras sob seu feitiço, mas o mais importante é que ele ensina seu psiquiatra pessoal, o Dr. Jack Mickler (interpretado por Marlon Brando) como realmente amar. O relacionamento do médico com sua esposa é rejuvenescido após suas sessões com DeMarco, e sua visão recém-descoberta sobre a vida eo amor torna difícil para ele colocar DeMarco em confinamento indefinido. Esta é uma visita obrigatória, mesmo que seja apenas para ver Johnny como um amante mexicano. Swoooooon.



5. Uva Gilbert








Um ano antes de Don Juan DeMarco saiu, Johnny estrelou What's Eating Gilbert Grape. Gilbert Grape é apenas um cara normal que tem que lidar com algumas circunstâncias muito irregulares - seu pai faleceu e deixou-o como o homem da família, ele tem que ser responsável por seu irmão mentalmente incapacitado, Arnie, e ele também tem que Cuidar de sua mãe, que é morbidly obeso e praticamente immobile. Tudo isso está em uma pequena cidade onde as pessoas fofocam e julgam, e Gilbert tem que lidar com isso tudo ao mesmo tempo ter uma mulher casada tentando manter um caso com ele, e ao mesmo tempo tentando nutrir seu amor crescente com um jovem fora De cidade! Gilbert definitivamente tem muito em seu prato, e ele é o cara mais doce de sempre, então sua história vale a pena assistir. E pré- Titanic Leonardo DiCaprio também é incrível como Arnie Grape!



4. Ele mesmo



Ok, então isso é menos emocionante do que alguns de seus outros personagens, mas você provavelmente não sabia que Johnny Depp se jogou em um monte de ocasiões! Um dos filmes em que Johnny faz uma aparição como ele próprio é Adam Sandler Jack e Jill , onde ele assiste a um jogo de basquete com seu amigo Al Pacino e é muito gelada o tempo todo. Ele também é ator convidado na vida de Ricky Gervais, "Too Short" , onde ele é muito menos frio e muito mais diva.Em seu curto espaço de tempo na tela, Johnny entra em uma reunião com Ricky usando óculos e um chapéu e soprando fumaça em seu rosto. Ele então esvazia seu cigarro na água de Ricky, se vangloria de que seus filmes ganham mais dinheiro e diz a ele que Helena Bonham Carter pensa que ele é um idiota. Acontece que Johnny está totalmente ofendido pelo que Ricky disse sobre ele nos Globos de Ouro!



3. Oficial Tom Hanson



Um dos papéis mais antigos de JD foi como o oficial Tom Hanson na série de TV 21 Jump Street , mas curiosamente, Johnny realmente volta para reprisar seu personagem (embora de uma maneira muito mais cômica) na versão de filme de 2012 da série sobre policiais, Que estrela Jonah Hill e Channing Tatum. Johnny é apenas no filme para uma aparição breve cameo, mas isso foi majorly emocionante para os fãs do show original! Na cena de Johnny, ele está agindo de imediato tentando infiltrar-se numa quadrilha e depois revela sua verdadeira identidade e fala sobre como ele estava na divisão de Jump Street. Clássico! Há algumas décadas entre Johnny estrelando na série de TV original e aparecendo neste filme, mas temos que dizer, salvar algumas tatuagens ele não parece tão diferente! Ele está um pouco cansado e mais confiante agora, mas essas maçãs do rosto ainda são altas AF.



2. Donald Trump




A personificação de Johnny Depp de Donald Trump na paródia biográfica de Funny ou Die do Presidente não é apenas hilariante, mas é exageradamente exata. Johnny é totalmente feito com um bodysuit, peruca, e uma tonelada inteira de maquiagem, e quando você considera o seu talento para trazer personagens à vida, é fácil ver como algumas pessoas provavelmente pensei que este era realmente Donald Trump à primeira vista! A paródia de 51 minutos se concentra no livro de Trump, Art of the Deal , e apresenta um par de rostos famosos ao lado de Johnny. JD puxa completamente fora os mannerisms e a maneira de falar do presidente, assim que se você está procurando alguns risos, este é definitivamente algo que você deve verificar para fora! Antes de ser lançado, a paródia foi planejada e mantida em sigilo por meses, então foi uma surpresa quando imagens de Johnny vestido como Trump começaram a aparecer em toda a mídia social.Aparentemente, a coisa toda só levou quatro dias para filmar!



1. Glen Lantz


Nosso papel principal de Johnny Depp que você provavelmente nem sabia era o primeiro personagem que já interpretou quando ele era apenas um adulto. No filme slasher de 1984 A Nightmare on Elm Street, Johnny interpreta Glen Lantz, o namorado de Nancy Thompson. Nancy está tentando salvar a si e seus amigos da ira de Freddy Krueger, que tenta matar pessoas em seus sonhos. Este é um filme bastante icônico, mas muitas pessoas não sabem que Johnny é uma das estrelas porque eles não o viram ou não o reconheceram. E para ser honesto, outras pessoas acabaram de esquecer que ele jogou o adolescente inocente, visto que agora associá-lo com piratas bêbados e homens artificiais com tesoura para as mãos. JD certamente teve uma carreira impressionante e extensa, e não podemos esperar para ver que papéis ele assume no futuro!



via thetalko



'Moonlight' é escolhido melhor filme do Oscar 2017, após confusão com os apresentadores



Warren Beatty e Faye Dunaway disseram que vencedor era 'La La Land'. Equipe do musical foi avisada e revelou que o ganhador era o drama de Barry Jenkins.






Moonlight" foi escolhido melhor filme do Oscar após confusão com os apresentadores Faye Dunaway e Warren Beatty, que anunciaram o vencedor errado. Os atores apresentavam a categoria final, neste domingo (26), e disseram que "La La Land" havia levado a estatueta, após erro da organização do evento. VEJA passo a passo o que aconteceu.
A equipe subiu ao palco para receber o prêmio


  • Mahershala Ali ("Moonlight: Sob a luz do luar")
  • Jeff Bridges ("A qualquer custo")
  • Lucas Hedges ("Manchester à beira-mar")
  • Dev Patel (“Lion: Uma jornada para casa”)
  • Michael Shannon ("Animais noturnos")

Melhor atriz coadjuvante

  • Viola Davis ("Um limite entre nós")
  • Naomi Harris ("Moonlight: Sob a luz do luar")
  • Nicole Kidman (“Lion: Uma jornada para casa”)
  • Octavia Spencer ("Estrelas além do tempo")
  • Michelle Williams ("Manchester à beira-mar")

Melhor roteiro original

  • Kenneth Lonergan ("Manchester à beira-mar")
  • Damien Chazelle ("La la land: Cantando estações")
  • Taylor Sheridan ("A qualquer custo")
  • Yorgos Lanthimos e Efthimis Filippou ("O lagosta")
  • Mike Mills ("20th century woman")

Melhor roteiro adaptado

  • Barry Jenkins ("Moonlight: Sob a luz do luar")
  • Luke Davies ("Lion: Uma jornada para casa")
  • August Wilson ("Um limite entre nós")
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi ("Estrelas além do tempo")
  • Eric Heisserer ("A chegada")

Melhor fotografia

  • Linus Sandgren ("La la land: Cantando estações")
  • Bradford Young ("A chegada")
  • James Laxton ("Moonlight: Sob a luz do luar")
  • Rodrigo Prieto ("Silêncio")
  • Greig Fraser ("Lion: Uma jornada para casa")

Melhor animação

  • "Zootopia"
  • "Kubo e as cordas mágicas"
  • "Moana: Um mar de aventuras"
  • "Minha vida de abobrinha"
  • "A tartaruga vermelha"

Melhor filme em língua estrangeira

  • "O apartamento" – Irã
  • "Terra de minas" – Dinamarca
  • "Um homem chamado Ove" – Suécia
  • "Tanna" – Austrália
  • "Toni Erdmann" – Alemanha

Melhor documentário

  • "O.J. Made in America"
  • "Fogo no mar"
  • "Eu não sou seu negro"
  • "Life, animated"
  • "A 13ª Emenda"

Melhor edição

  • John Gilbert ("Até o último homem")
  • Joe Walker ("A chegada")
  • Jake Roberts ("A qualquer custo")
  • Tom Cross ("La la land: Cantando estações")
  • Nate Sanders e Joi McMillan ("Moonlight: Sob a luz do luar")

Melhor design de produção

  • "La la land: Cantando estações"
  • "A chegada"
  • "Animais fantásticos e onde habitam"
  • "Ave, Cesar!"
  • "Passageiros"

Melhor cabelo a maquiagem

  • Alessandro Bertolazzi, Giorgio Gregorini e Christopher Nelson ("Esquadrão Suicida")
  • Eva Bahr e Love Larson ("Um homem chamado Ove")
  • Joel Harlow e Richard Alonzo ("Star Trek: Sem fronteiras")

Melhor figurino

  • Colleen Atwood ("Animais fantásticos e onde habitam")
  • Joanna Johnston ("Allied")
  • Consolata Boyle ("Florence: Quem é essa mulher?")
  • Madeline Fontaine ("Jackie")
  • Mary Zophres ("La la land: Cantando estações")

Melhores efeitos visuais

  • Robert Legato, Adam Valdez, Andrew R. Jones and Dan Lemmon ("Mogli: O menino lobo")
  • Craig Hammack, Jason Snell, Jason Billington e Burt Dalton ("Deepwater horizon")
  • Stephane Ceretti, Richard Bluff, Vincent Cirelli e Paul Corbould ("Doutor Estranho")
  • Steve Emerson, Oliver Jones, Brian McLean e Brad Schiff ("Kubo e as cordas mágicas")
  • John Knoll, Mohen Leo, Hal Hickel e Neil Corbould ("Rogue One: Uma história Star Wars")

Melhor canção original

  • "City of stars" ("La la land: Cantando estações"); música de Justin Hurwitz e letra de Benj Pasek e Justin Paul
  • "Audition (The fools who dream)" ("La la land: Cantando estações"); música de Justin Hurwitz e letra de Benj Pasek e Justin Paul
  • "Can't stop the feeling" ("Trolls"); música e letra de Justin Timberlake, Max Martin e Karl Johan Schuster
  • "The empty chair" ("Jim: The James Foley Story"); música e letra de J. Ralph e Sting
  • "How far I'll go" ("Moana: Um mar de aventuras"); música e letra Lin-Manuel Miranda

Melhor trilha sonora

  • Micha Levi ("Jackie")
  • Justin Hurwitz ("La la land: Cantando estações")
  • Nicholas Britell ("Moonlight: Sob a luz do luar")
  • Thomas Newman ("Passageiros")
  • Dustin O'Halloran e Hauschka ("Lion: Uma jornada para casa")

Melhor edição de som

  • Sylvain Bellemare ("A chegada")
  • Renée Tondelli ("Deepwater horizon")
  • Robert Mackenzie e Andy Wright ("Até o último homem")
  • Ai-Ling Lee and Mildred Iatrou Morgan ("La la land: Cantando estações")
  • Alan Robert Murray e Bub Asman ("Sully: O herói do rio Hudson")

Melhor mixagem de som

  • Kevin O'Connell, Andy Wright, Robert Mackenzie e Peter Grace ("Até o último homem")
  • Bernard Gariépy Strobl e Claude La Haye ("A chegada")
  • Andy Nelson, Ai-Ling Lee and Steve A. Morrow ("La la land: Cantando estações")
  • David Parker, Christopher Scarabosio e Stuart Wilson ("Rogue One: Uma história Star Wars")
  • Greg P. Russell, Gary Summers, Jeffrey J. Haboush e Mac Ruth ("13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi")

Melhor curta-metragem

  • "Sing"
  • "Ennemis Intérieurs"
  • "La femme et le TGV"
  • "Silent night"
  • "Timecode"

Melhor curta-metragem de animação

  • "Piper"
  • "Blind Vaysha"
  • "Borrowed time"
  • "Pear Cider and Cigarettes"
  • "Pearl"

Melhor documentário em curta-metragem

  • "The white helmets"
  • "Extremis"
  • "41 miles"
  • "Joe's violin"
  • "Watani: My homeland"


êmio. Após 2 minutos e 23 segundos, foi informada do erro e esclareceu que o vencedor era "Moonlight". Beatty e Faye estavam, na verdade, com o envelope da vencedora de Melhor Atriz (Emma Stone, de "La La Land").
Ao abrir o envelope, Beatty ficou olhando para o papel com o nome do vencedor, como se algo estivesse errado. Ele ficou 20 segundos sem saber o que fazer: a plateia pensou que era uma brincadeira. Até deu risada. O ator de 79 anos é conhecido pelo bom humor.
Então, Faye pegou o papel da mão do ator e leu: "La La Land". Foi quando a equipe do filme se abraçou e foi receber a estatueta. Os produtores (Fred Berger, Jordan Horowitz e Marc Platt) discurssaram, mas foram avisados da confusão. "Há um erro, 'Moonlight', caras, vocês ganharam melhor filme. Isso não é uma brincadeira, acho que eles leram a coisa errada", disse Horowitz.
"Moonlight" levou ainda a estatueta de roteiro adaptado e de ator coadjuvante, para Mahershala Ali. "La La Land: Cantando Estações" ganhou seis prêmios: atriz, diretor, música original, trilha sonora, fotografia e design de produção. Damien Chazelle se tornou o mais jovem a ganhar como diretor. Casey Affleck levou o Oscar de ator por "Manchester à Beira-mar", filme que ganhou também a estatueta de roteiro original.


Barry Jenkins, diretor de 'Moonlight', abraça o produtor Jordan Horowitz, de 'La la land', após lerem o nome errado do melhor filme no Oscar (Foto: Lucy Nicholson/Reuters)



Jordon Horowitz, produtor de 'La la land', mostra o cartão com o vencedor correto de melhor filme, 'Moonlight' (Foto: Lucy Nicholson/Reuters)


Moonlight

"Moonlight: Sob a luz do luar" se tornou o Melhor Filme do Oscar neste ano ao narrar o crescimento de um garoto negro na periferia de Miami, nos Estados Unidos, que enfrenta desafios relacionados a sua raça e sexualidade. Mesmo sem estrelas e com uma narrativa simples e direta, o filme independente escrito e dirigido por Barry Jenkins foi colecionando prêmios e elogios.
A vitória mostrou também uma nova mentalidade da Academia de Artes e Ciência Cinematográficas de Hollywood, após a péssima repercussão da campanha #OscarSoWhite (#OscarMuitoBranco), que criticava a ausência de artistas negros no Oscar de 2016. Neste ano, a premiação bateu o recorde com o maior número de negros indicados: 20.

Coadjuvantes: discursos poderosos

Favoritíssimos, Viola Davis ("Um limite entre nós") e Mahershala Ali ("Moonlight: Sob a luz do luar") ganharam como coajuvantes. Fizeram discursos poderosos e emocionados.
"Quando me perguntam que papéis eu quero interpretar, eu digo 'dessas pessoas que não sabem o que é poder sonhar, poder atingir seus sonhos'", disse a atriz. "Viola Davis foi indicada a um Emmy por esse discurso", brincou o apresentador Jimmy Kimmel.



Viola Davis ganha o Oscar de melhor atriz coadjuvante por 'Um Limite entre Nós'. (Foto: Lucas Jackson / Reuters)


Protestos contra Trump (e a favor)

O Oscar também teve protestos. Uma fita azul foi usada por celebridades como a atriz Ruth Negga no tapete vermelho do Oscar. Eles apoiam a União Americana pelas Liberdades Civis, que se opõe a Donald Trump. Também antes da premiação, apoiadores do presidente americano protestaram contra a "elite de Hollywood" perto do Teatro Dolbly.
Trump também foi citado por Kimmel. "Já estamos em duas horas do prêmio e Donald Trump não twittou sobre a gente até agora. Estou ficando preocupado", disse ele, que pegou o celular e botou a imagem do perfil de Trump no Twitter no telão da premiação.
O diretor do melhor filme estrangeiro "O apartamento", o iraniano Asghar Farhadi, mandou uma carta. Nela, ele explicou que não foi ao Oscar em respeito à população do seu país e a outros imigrantes que não podem mais entrar nos Estados Unidos após o banimento a muçulmanos imposto por Trump.

Diretor mais novo, filme mais longo

Premiado como Melhor Diretor, Damien Chazelle se tornou o mais jovem a levar o prêmio, com 32 anos e um mês. "Quero agradecer Ryan e Emma por darem vida a este filme", disse Damien Chazelle. "Quero agradecer a minha família por sempre acreditarem em mim. E agradeço a Olivia. É um filme sobre amor e fico feliz por ter encontrado o amor fazendo este filme".
Outro recordista da noite foi "O.J.: Made in America". Com 7 horas e 47 minutos de duração, ele ganhou como Melhor Documentário. O filme superou "Guerra e Paz", longa russo que ganhou o Oscar de filme estrangeiro em 1969, com 7 horas e 7 minutos de duração.
Outra curiosidade deste ano foi que o "homem mais azarado do Oscar" finalmente ganhou. Após 20 indicações sem vitória, o engenheiro de som Kevin O'Connel foi premiado por seu trabalho em "Até o último homem".
Academia publicou dois ganhadores do Oscar de melhor filme em seu twitter (Foto: Reprodução)


Veja os premiados do Oscar 2017 em negrito:

Melhor Filme

  • "Moonlight: Sob a luz do luar"
  • "La la land: Cantando estações"
  • "A chegada"
  • "Até o último homem"
  • "Estrelas além do tempo"
  • “Lion: Uma jornada para casa”
  • "Um limite entre nós"
  • "A qualquer custo"
  • "Manchester à beira-mar"

Emma Stone ganha como melhor atriz por "La la land" (Foto: Lucy Nicholson/Reuters)


Melhor atriz

  • Emma Stone ("La La Land - Cantando estações")
  • Natalie Portman ("Jackie")
  • Meryl Streep ("Florence: Quem é essa mulher?")
  • Ruth Negga (“Loving“)
  • Isabelle Huppert ("Elle")


Caseu Affleck leva o Oscar de melhor ator por 'Manchester à beira-mar' (Foto: Lucy Nicholson/Reuters)

Melhor ator

  • Casey Affleck (“Manchester a beira mar”)
  • Denzel Washington (“Um limite entre nós”)
  • Ryan Gosling (“La La Land – Cantando estações”)
  • Andrew Garfield (“Até o Último Homem”)
  • Viggo Mortensen (“Capitão Fantástico")

Damien Chazelle se tornou o diretor mais jovem da história após o Oscar por 'La la land' (Foto: Lucy Nicholson/Reuters)

Melhor diretor

  • Damien Chazelle ("La la land: Cantando estações")
  • Dennis Villeneuve ("A chegada")
  • Mel Gibson ("Até o último homem")
  • Kenneth Lonergan ("Manchester à beira-mar")
  • Barry Jenkins ("Moonlight: Sob a luz do luar")
Mahershala Ali vence o Oscar de melhor ator coadjuvante por seu papel em 'Moonlight - Sob a Luz do Luar' (Foto: Lucy Nicholson / Reuters)


Melhor ator coadjuvante

  • Mahershala Ali ("Moonlight: Sob a luz do luar")
  • Jeff Bridges ("A qualquer custo")
  • Lucas Hedges ("Manchester à beira-mar")
  • Dev Patel (“Lion: Uma jornada para casa”)
  • Michael Shannon ("Animais noturnos")

Melhor atriz coadjuvante

  • Viola Davis ("Um limite entre nós")
  • Naomi Harris ("Moonlight: Sob a luz do luar")
  • Nicole Kidman (“Lion: Uma jornada para casa”)
  • Octavia Spencer ("Estrelas além do tempo")
  • Michelle Williams ("Manchester à beira-mar")

Melhor roteiro original

  • Kenneth Lonergan ("Manchester à beira-mar")
  • Damien Chazelle ("La la land: Cantando estações")
  • Taylor Sheridan ("A qualquer custo")
  • Yorgos Lanthimos e Efthimis Filippou ("O lagosta")
  • Mike Mills ("20th century woman")

Melhor roteiro adaptado

  • Barry Jenkins ("Moonlight: Sob a luz do luar")
  • Luke Davies ("Lion: Uma jornada para casa")
  • August Wilson ("Um limite entre nós")
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi ("Estrelas além do tempo")
  • Eric Heisserer ("A chegada")

Melhor fotografia

  • Linus Sandgren ("La la land: Cantando estações")
  • Bradford Young ("A chegada")
  • James Laxton ("Moonlight: Sob a luz do luar")
  • Rodrigo Prieto ("Silêncio")
  • Greig Fraser ("Lion: Uma jornada para casa")

Melhor animação

  • "Zootopia"
  • "Kubo e as cordas mágicas"
  • "Moana: Um mar de aventuras"
  • "Minha vida de abobrinha"
  • "A tartaruga vermelha"

Melhor filme em língua estrangeira

  • "O apartamento" – Irã
  • "Terra de minas" – Dinamarca
  • "Um homem chamado Ove" – Suécia
  • "Tanna" – Austrália
  • "Toni Erdmann" – Alemanha

Melhor documentário

  • "O.J. Made in America"
  • "Fogo no mar"
  • "Eu não sou seu negro"
  • "Life, animated"
  • "A 13ª Emenda"

Melhor edição

  • John Gilbert ("Até o último homem")
  • Joe Walker ("A chegada")
  • Jake Roberts ("A qualquer custo")
  • Tom Cross ("La la land: Cantando estações")
  • Nate Sanders e Joi McMillan ("Moonlight: Sob a luz do luar")

Melhor design de produção

  • "La la land: Cantando estações"
  • "A chegada"
  • "Animais fantásticos e onde habitam"
  • "Ave, Cesar!"
  • "Passageiros"

Melhor cabelo a maquiagem

  • Alessandro Bertolazzi, Giorgio Gregorini e Christopher Nelson ("Esquadrão Suicida")
  • Eva Bahr e Love Larson ("Um homem chamado Ove")
  • Joel Harlow e Richard Alonzo ("Star Trek: Sem fronteiras")

Melhor figurino

  • Colleen Atwood ("Animais fantásticos e onde habitam")
  • Joanna Johnston ("Allied")
  • Consolata Boyle ("Florence: Quem é essa mulher?")
  • Madeline Fontaine ("Jackie")
  • Mary Zophres ("La la land: Cantando estações")

Melhores efeitos visuais

  • Robert Legato, Adam Valdez, Andrew R. Jones and Dan Lemmon ("Mogli: O menino lobo")
  • Craig Hammack, Jason Snell, Jason Billington e Burt Dalton ("Deepwater horizon")
  • Stephane Ceretti, Richard Bluff, Vincent Cirelli e Paul Corbould ("Doutor Estranho")
  • Steve Emerson, Oliver Jones, Brian McLean e Brad Schiff ("Kubo e as cordas mágicas")
  • John Knoll, Mohen Leo, Hal Hickel e Neil Corbould ("Rogue One: Uma história Star Wars")

Melhor canção original

  • "City of stars" ("La la land: Cantando estações"); música de Justin Hurwitz e letra de Benj Pasek e Justin Paul
  • "Audition (The fools who dream)" ("La la land: Cantando estações"); música de Justin Hurwitz e letra de Benj Pasek e Justin Paul
  • "Can't stop the feeling" ("Trolls"); música e letra de Justin Timberlake, Max Martin e Karl Johan Schuster
  • "The empty chair" ("Jim: The James Foley Story"); música e letra de J. Ralph e Sting
  • "How far I'll go" ("Moana: Um mar de aventuras"); música e letra Lin-Manuel Miranda

Melhor trilha sonora

  • Micha Levi ("Jackie")
  • Justin Hurwitz ("La la land: Cantando estações")
  • Nicholas Britell ("Moonlight: Sob a luz do luar")
  • Thomas Newman ("Passageiros")
  • Dustin O'Halloran e Hauschka ("Lion: Uma jornada para casa")

Melhor edição de som

  • Sylvain Bellemare ("A chegada")
  • Renée Tondelli ("Deepwater horizon")
  • Robert Mackenzie e Andy Wright ("Até o último homem")
  • Ai-Ling Lee and Mildred Iatrou Morgan ("La la land: Cantando estações")
  • Alan Robert Murray e Bub Asman ("Sully: O herói do rio Hudson")

Melhor mixagem de som

  • Kevin O'Connell, Andy Wright, Robert Mackenzie e Peter Grace ("Até o último homem")
  • Bernard Gariépy Strobl e Claude La Haye ("A chegada")
  • Andy Nelson, Ai-Ling Lee and Steve A. Morrow ("La la land: Cantando estações")
  • David Parker, Christopher Scarabosio e Stuart Wilson ("Rogue One: Uma história Star Wars")
  • Greg P. Russell, Gary Summers, Jeffrey J. Haboush e Mac Ruth ("13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi")

Melhor curta-metragem

  • "Sing"
  • "Ennemis Intérieurs"
  • "La femme et le TGV"
  • "Silent night"
  • "Timecode"

Melhor curta-metragem de animação

  • "Piper"
  • "Blind Vaysha"
  • "Borrowed time"
  • "Pear Cider and Cigarettes"
  • "Pearl"

Melhor documentário em curta-metragem

  • "The white helmets"
  • "Extremis"
  • "41 miles"
  • "Joe's violin"
  • "Watani: My homeland"


via G1




AS MIL FACES DE JOHNNY DEPP

JOHNNY DEPP

JOHNNY DEPP

HUMOR DA NAHH

The current mood of nahh at nahh