quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Dia de Ação de Graças

Quase todos os países do mundo comemoram um dia especial quando expressam sua alegria ou gratidão pela colheita. Uma das comemorações mais antigas é a dos judeus. Você pode ler, na Bíblia, sobre a Festa dos Tabernáculos (Levítico 23.39-41).
Esta festa é comemorada no final de setembro ou no início de outubro. Deus mandou os judeus fazerem esta festa para lembrarem tudo de bom que Deus tinha feito por eles.
dias_espe_acao_gracas_quadro
Nos Estados Unidos, o Dia de Ação de Graças é um grande feriado. É sempre comemorado na 4ª quinta-feira do mês de novembro. Foi comemorado pela primeira vez em 1621 quando um pequeno grupo de crentes (chamados puritanos) comemoraram sua sobrevivência.Eles tinham saído da Inglaterra porque lá era proibido cultuar a Deus livremente. Quando eles chegaram aos Estados Unidos em 1620, eles não tinham nada e quase morreram de fome e frio. Eram 102 pessoas. Morreram 56. Com a ajuda dos índios, os outros 56 conseguiram sobreviver durante o primeiro ano no novo país. Resolveram então dar graças a Deus através de uma festa que durou três dias.
Ao longo dos anos, isto se tornou uma tradição, e a data foi fixada em novembro pelo presidente dos Estados Unidos. A mesma tradição existe no Canadá, onde o dia é comemorado na 2ª segunda-feira de outubro.
Os evangélicos em outros países do mundo adotaram este dia em seu calendário, porque eles também querem ter um dia especial para agradecer todas as bênçãos de Deus.
Algumas igrejas, aqui no Brasil, fazem um culto de gratidão durante o mês de novembro.
Você tem alguma coisa para agradecer? Por que você e sua família não fazem um culto especial? Neste dia, cada pessoa pode falar um (ou mais) motivo de agradecimento. Leia, na Bíblia, Salmo 66.16 (”Vinde, e ouvi, todos os que temeis a Deus, e eu contarei o que ele tem feito por mim.”). Cante o hino “Conta as Bênçãos” e depois ore agradecendo todas essas bênçãos.
dias_espe_acao_graca_folhasdias_espe_acao_graca_frutas
dias_espe_acao_graca_oracao1

Inimigos Públicos

johnny-depp-c-2009-small
Johnny Depp foi muito simpático, respondeu perguntas com bom-humor e foi atacado por jornalistas desesperados por fotos. Saiba como foi minha entrevista com o Jack Sparrow do Chapéu Maluco!
Como muita gente, conheci Johnny Depp em Anjos da Lei. Isso entrega a idade, mas tudo bem. =D Desde então gostei do sujeito, aí ele fez Edward Mãos de Tesoura e pronto. Claro que alguns filmes não me agradaram tanto, e ele também precisou aprender um truque ou dois, e ficou um tempão na memória. No geral, Depp é muito bom ator. Discordo das acusações de que ele sofre da “sindrome do palhaço” – só consegue atuar quando totalmente transformado no aspecto visual -, mas boa parte do que ele faz tem esse elemento forte, então é quase uma assinatura de estilo. Bom, tudo isso para dizer que estava empolgadão para assistir a Inimigos Públicos e, claro, entrevistar Johnny Depp. O filme é fraco e tem poucas chances de Oscar, mesmo com a atuação boa do Depp. Não dá para carregar um filme desses nas costas, enfim [leia crítica].
Assisti ao filme na noite anterior à entrevista, e corri para o hotel Four Seasons – em Beverly Hills. Lá conversaria com Michael Mann [diretor], Christian Bale, Marion Coutilard e, claro, Johnny Depp. Ele fala pouco com a imprensa aqui nos Estados Unidos, mas resolveu dar as caras. Tudo aconteceu no formato coletiva de imprensa. Três grupos de jornalistas – cerca de 20 profissionais em cada – falariam com o elenco. Estava na segunda rodada de Depp. Apreensão no ar. Muita gente não o conhecia pessoalmente – eu incluso – e todo mundo precisava aproveitar a oportunidade.
Ele chegou de forma bem simpática, mas misteriosa. Usou uma portinha nos fundos da sala da coletiva, ao contrário do resto do elenco, que entrou pela porta da frente. Sorrindo e disposto a responder tudo que perguntássemos, Depp brincou bastante. Jornalista japonês começou a fazer a pergunta e fez algumas afirmações, no meio disso Depp solta um “sim”. E o cara devolve: “essa não é minha pergunta”, e ele logo emenda: “então essa não é minha resposta”. Todo mundo riu.
Consegui fazer três perguntas a ele e adorei as respostas. Todas, aliás, focadas em Alice no País das Maravilhas [tinha que escrever uma matéria de capa para a Sci-Fi News, sobre ele e o personagem, então o foco foi total]. Uma delas você pode ler aqui. Claro que ele falou sobre John Dillinger, sobre a possibilidade de fazer filmes franceses – já que mora lá, seria óbvio -, as mulheres francesas e sobre seu estilo de atuação.
Um detalhe muito curioso em Depp foi o seguinte: ele utiliza uma linguagem pouco comum, ou seja, usa palavras mais inteligentes e tem uma linha de raciocínio diferenciada. Por exemplo, ele disse isso “and the drawings were not dissimilar” [e os desenhos não eram díspares]. Qualquer ator teria dito algo mais direto como “e eles não eram diferentes”. Chamou atenção o fato de usar o termo “dissimilar” e de forma 100% correta. Só mais um, entre tantos diferenciais que Depp apresenta. Muito legal isso.
Acho que as fãs pirariam cada vez que ele tirava a franja da frente do olho. Um movimento bastante normal e regular dele, aliás.
A entrevista acabou, ele assinou alguns DVDs e pôsteres e aí começou algo estranho. Jornalistas às vezes tentam tirar fotos com os atores. Eu mesmo tenho várias delas, mas normalmente faço quando entrevisto individualmente, quando o entrevistado gostou muito das minhas perguntas e se dispõe a tal. No caso do Depp foi diferente. Um pelotão de jornalistas disparou pra cima dele. Gente abraçando, pedindo para tirar foto, empurrando. Muito estranho. Duas conseguiram. Fiquei de longe, assistindo – assustado – ao circo. Tirei fotos de longe, a maioria borrou. Não tenho câmera profissional. Nunca vi isso acontecer.
A assessora do Depp ficou irritada, puxou ele pelo braço e sumiram pela mesma portinha. Fiquei sabendo do pior depois, um senhor – mala de tudo – da Suécia, que sempre tenta tirar foto com todo mundo, estava na outra sala e ‘agarrou Johnny Depp pelo braço, deu tranco nele e quase levou um sopapo”. Depp ficou tão chocado com o puxão que olhou muito feio para o sujeito, pelo que ficamos sabendo depois que todos os jornalistas se encontraram na saída.
Mas isso só prova que Johnny Depp é admirado e idolatrado mesmo entre os profissionais que cobrem Hollywood. Adorei a experiência, adorei as respostas e se portou como um verdadeiro astro. Dando conteúdo àqueles que precisam de seu conhecimento e, assim, garantindo a divulgação de seu trabalho. Uma troca justa. Bem, nem tanto, o que eu escrever logo cai no esquecimento; o contrário não vai acontecer, pois nunca me esquecerei de minha primeira entrevista com o homem de mil faces, sejam elas maquiadas ou não.
Johnny Depp é foda! =D

PLATTON-PEQUENA PARTICIPAÇÃO DO DEPP-1986

Johnny Depp In PlatoonJohnny Depp In Platoon
Platoon (Platoon (título no Brasil) ou Platoon - Os bravos do pelotão (título em Portugal) ) é um filme estadunidense de 1986, do gênero drama de guerra, escrito e dirigido por Oliver Stone.
O roteiro é baseado na experiência pessoal de Oliver Stone na guerra do Vietnã, e num roteiro que ele finalizou por volta de 1976.
O orçamento de Platoon foi de 13 milhões de dólares, sendo que arrecadou a quantia de 137 milhões de dólares apenas nas bilheterias estadunidenses.
O filme mostra os horrores da guerra do Vietnã através dos olhos de Chris, um jovem recruta estadunidense que se alista voluntariamente para o combate.
Na guerra, o jovem trava contato com os sargentos Barnes e Elias: o primeiro, um assassino brutal e psicopata; e o segundo, um pacifista inteligente e sensível.

  • Johnny Depp tinha 22 anos de idade na época em que o filme foi realizado e aquela foi a primeira vez que ele saiu dos Estados Unidos, uma vez que as filmagens foram realizadas nas Filipinas.

D JUAN DE MARCO-1995

Don Juan de Marco

Direção: Jeremy Leven?


http://3.bp.blogspot.com/_oIl2mZ6Zytw/SnITNbe9ajI/AAAAAAAAABI/si2fmbAn9cE/s320/normal_don-juan-de-marco-promo-005.jpg

Sinopse
Um homem de 21 anos (Johnny Depp) dizendo ser o famoso amante Don Juan vai até Nova York para encontrar seu amor perdido, mas, sentindo que não alcançará seu objetivo, tenta se matar. Porém, um psiquiatra (Marlon Brando) consegue convencê-lo a mudar de idéia e começa a tratá-lo. Entretanto, o paciente possui um romantismo irrecuperável e contagioso, que começa a influenciar o comportamento do médico.


Ficha Técnica
Título Original: Don Juan DeMarco
Gênero: Romance
Tempo de Duração: 97 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 1995
Estúdio: New Line Cinema / American Zoetrope
Distribuição: New Line Cinema / Columbia TriStar Films
Direção: Jeremy Leven
Roteiro: Jeremy Leven, baseado em personagem criado por Lord Byron
Produção: Francis Ford Coppola, Fred Fuchs e Patrick J. Palmer
Música: Michael Kamen e Robert John Lange
Fotografia: Ralf D. Bode
Desenho de Produção: Sharon Seymour
Direção de Arte: Jeff Knipp
Figurino: Kirsten Everberg
Edição: Antony Gibbs


Elenco
Marlon Brando (Dr. Jack Mickler)
Faye Dunaway (Marilyn Mickler)
Johnny Depp (Don Juan)
Géraldine Pailhas (Donna Ana)
Bob Dishy (Dr. Paul Schowalter)
Rachel Ticotin (Dona Inez)
Talisa Soto (Dona Julia)
Richard C. Sarafian (Detetive Sy Tobias)
Stephen Singer (Dr. Bill Dunsmore)
Franc Luz (Don Antonio)
Carmen Argenziano (Don Alfonzo)
Jo Champa (Sultana Gulbeyaz)
Marita Geraghty


Premiações
Recebeu uma indicação ao Oscar, na categoria de Melhor Canção Original ("Have You Ever Really Loved a Woman").
Recebeu 2 indicações ao Globo de Ouro, nas categorias de Melhor Trilha Sonora e Melhor Canção Original ("Have You Ever Really Loved a Woman").


Curiosidades
O ator Johnny Depp condicionou sua atuação em Don Juan DeMarco à participação de Marlon Brando como o psiquiatra Jack Mickler.

Para aprender a falar com sotaque espanhol, o ator Johnny Depp assistiu a vários episódios da série de TV americana Ilha da Fantasia.
O orçamento de Don Juan DeMarco foi de US$ 25 milhões, sendo que o filme arrecadou mais de US$ 65 milhões nas bilheterias de todo o planeta.

Dublado: Baixar Aqui
Legendado: Part1 Part2


AS MIL FACES DE JOHNNY DEPP

JOHNNY DEPP

JOHNNY DEPP

HUMOR DA NAHH

The current mood of nahh at nahh