terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Inglesas querem beijar Robert Pattinson como presente de Natal

Mulheres responderam a pesquisa e ator levou 54% dos votos. Johnny Depp e Brad Pitt aparecem em seguida.
Do EGO, no Rio


Robert Pattinson é o homem maiss desejado pelas inglesas no Natal

Robert Pattinson é o homem que mais mulheres inglesas gostariam de beijar. De acordo com uma pesquisa, 54% das mulheres pediriam de Natal um beijo do ator. As informações são do site PerezHilton.

Segundo tradição européia, quando um casal se encontra debaixo de um ramo de azevinho, no Natal, deve se beijar. Johnny Depp é o segundo colocado da lista com 17% dos votos, seguido por Brad Pitt, com 10%.  Kellan Lutz e Taylor Lautner também estão entre os 10 mais desejados.

Leia no EGO mais notícias sobre famosos

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Enigma do Espaço (The Astronaut's Wife) 1999 [DVD-Rip]

sinopse:

Durante uma missão espacial, os astronautas Spencer Armacost (Johnny Depp) e Alex Streck (Nick Cassavetes) perdem contanto com a base por dois minutos. Após transcorrido este tempo, tudo volta ao normal e eles retornam a Terra, onde são recebidos como heróis. Mas Streck foi afetado pelo misterioso acontecimento e morre pouco depois, vítima de um ataque, com sua mulher Natalie (Donna Murphy) se suicidando logo em seguida. Já com Spencer e sua esposa Jillian (Charlize Theron) tudo parece perfeito, pois eles são o retrato vivo de um casamento feliz. Spencer aceita um cargo de executivo em Nova York e algum tempo depois Jillian descobre que está grávida de gêmeos. Porém, Jillian gradativamente teme o marido cada vez mais e começa a suspeitar que não carrega o filho de Spencer e sim de um extraterrestre, principalmente após ser alertada por Sherman Reese (Joe Morton), um ex-funcionário da Nasa que perdeu o emprego por ter achado que várias coisas estranhas nunca explicadas aconteceram na missão de Armacost e Streck.
  • Johnny Depp (Spencer Armacost)
  • Charlize Theron (Jilian Armacost)
  • Joe Morton (Sherman Reese)
  • Clea DuVall (Nan)
  • Donna Murphy (Natalie Streck)
  • Nick Cassavetes (Alex Streck)
  • Samantha Eggar (Doutora)
  • Gary Grubbs (Diretor da NASA)
  • Blair Blown (Shelly McLaren)
  • Tom Noonan (Jackson McLaren)
  • Tom O'Brien (Allen Dodge)
  • Lucy Lin (Shelly Carter)
  • Michael Crider (Pat Elliott)
Ficha Técnica:
  • Título Original: The Astronaut's Wife
  • Gênero: Ficção Científica
  • Tempo de Duração: 109 minutos
  • Ano de Lançamento (EUA): 1999
  • Site Oficial: www.astronautswife.com
  • Estúdio: New Line Cinema / Mad Chance
  • Distribuição: New Line Cinema
  • Direção: Rand Ravich
  • Roteiro: Rand Ravich
  • Produção: Andrew Lazar
  • Música: George S. Clinton
  • Direção de Fotografia: Allen Daviau
  • Desenho de Produção: Jan Roelfs
  • Direção de Arte: Sarah Knowles
  • Figurino: Isis Mussenden
  • Edição: Timothy Alverson e Steve Mirkovich
  • Efeitos Especiais: Sony Pictures Imageworks / All Effects Company / Rhythm & Hues / Global Effects Inc. / Blue Sky/VIFX
Dados do Arquivo:
  • Legendas: Anexa ao post (pt-BR)
  • Qualidade do Vídeo: DVDRiP
  • Vídeo Codec: XViD
  • Audio Codec: MP3
  • Resolução: 624 X 352

 


quinta-feira, 17 de dezembro de 2009


Disney divulga trailer de 'Alice no País das Maravilhas'

Prévia do novo filme de Tim Burton, que tem Johnny Depp
e Anne Hathaway no elenco, cai na rede.
Do EGO, no Rio


A Wallt Disney Pictures divulgou nesta quarta-feira, 16, um trailer do filme "Alice no País das Maravilhas", com estreia prevista para março de 2010.

. Assista ao trailer

Dirigido por Tim Burton, o  filme tem Anne Hathaway e Johnny Depp no elenco.





Disney/Reprodução

Cenas do filme 'Alice no País das Maravilhas'

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça (1999)



Com produção de Francis Ford Coppola e direção de Tim Burton, já fica previsível o resultado dessa união: um excelente filme de horror gótico, “A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça” (Sleepy Hollow, 1999), com todos os elementos característicos do gênero, casarões sombrios, florestas com árvores fantasmagóricas e constante névoa espessa, cemitério horripilante com suas lápides de pedra, carruagens e vestuário do século XIX, etc. Burton também homenageou o lendário ator Christopher Lee, que participou em magistrais, nostálgicos e emocionantes 3 minutos de película na pele de um burgomestre, assim como ele fez em 1990 com o já falecido Vincent Price em Edward Mãos de Tesoura. Lee é o único, ainda vivo (nascido em 1922), do grupo de atores que moldaram o Horror cinematográfico ao longo dos anos 50, 60 e 70, ao lado de Price (1911-1993), Peter Cushing (1913-1994), John Carradine (1906-1988) e Donald Pleasence (1919-1995), entre outros, e que tem sua carreira principalmente marcada por suas interpretações como o Conde Drácula (da produtora inglesa “Hammer”) e diversos outros vilões do Horror. O diretor também homenageou novamente o grande e veterano Martin Landau, que participou em poucos minutos no início do filme como o patriarca da família Van Garrett, sendo logo decapitado. Ele também é um ícone do gênero muito conhecido por atuar fixo na antiga série de ficção científica da TV Espaço 1999. Um fato estranho é que ele não aparece nos créditos do filme. Tem também o eterno vilão do cinema moderno Christopher Walken (o diabólico anjo Gabriel de Os Anjos Rebeldes, 94), cujo nome só aparece nos créditos finais (o que também é estranho). Ele, que encarnou magistralmente o cavaleiro decapitador de cabeças (quando ele ainda tinha a sua, é claro), sem precisar emitir uma única palavra e apenas utilizando-se de interpretações faciais e grunhidos de gelar a alma dos vivos e mortos, ajudado pela expressão de seus dentes pontiagudos serrilhados especialmente para impor de forma mais acentuada sua ferocidade anormal. E para completar o time, o jovem casal de protagonistas, com o talentoso Johnny Depp, que iniciou sua carreira com a série televisiva Anjos da Lei (1987-90) e participou de outros filmes de Burton como Edward Mãos de Tesoura e Ed Wood ou ainda do sucesso de Don Juan de Marco, e a lindíssima Christina Ricci, cuja beleza fenomenal é a única oposição ao horror sanguinário do filme. Ela, que foi a garota esquisita de A Família Addams, com os cabelos morenos, e agora produzida com longos cabelos loiros, que realçaram ainda mais sua beleza.
Depois de uma introdução desse porte fica fácil imaginar a grandiosidade dessa obra, que já concorre como um dos melhores filmes de horror dos carentes últimos tempos. “A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça” estreou nos cinemas brasileiros no dia 28 de janeiro de 2000, dirigido por Tim Burton, que já é conhecido por suas outras produções similares dentro do universo gótico ao longo das décadas de 80 e 90 como a belíssima fantasia Edward Mãos de Tesoura, Batman 1 e 2, a homenagem emocionante de Ed Wood, a animação dark de O Estranho Mundo de Jack, a comédia Os Fantasmas Se Divertem e a divertidíssima paródia de ficção científica Marte Ataca!, entre outros.
O cinema de Horror ao longo de sua história gerou muitas faces, entre elas os velhos filmes góticos ambientados em séculos recentes do passado, com mansões obscuras, famílias amaldiçoadas, ou as obras que exploraram o horror psicológico em histórias de fantasmas e assombrações, ou ainda aqueles centrados em violência explícita com muito sangue entre zumbis, monstros disformes e psicopatas modernos. Mas o horror que mais assusta e influencia o público é certamente aquele mais próximo da realidade do que da ficção. A história da humanidade está repleta de referências e provas decisivas de grandes atrocidades cometidas como guerras bestiais e sangrentas e torturas insanas, e vários foram os filmes que utilizaram essa temática. A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça mistura a realidade dos ferozes guerreiros do passado que empalavam e decapitavam suas vítimas por puro prazer sádico, à ficção sobrenatural de fantasmas que retornam do inferno para continuar a espalhar sangue através de suas espadas. A união desses elementos resultou num filme agressivo por sua violência, apesar de bons momentos de humor negro, e divertido por suas caracterizações góticas, sem contar as diversas homenagens que Tim Burton fez tanto com os atores especialmente convidados quanto às referências de velhos filmes. O diretor já havia feito isso de maneira muito mais detalhada na paródia de FC Marte Ataca! (96), onde ele homenageia todos os velhos clichês da ficção científica dos anos 50 e 60, a época dos “monstros de olhos esbugalhados” e a paranóia de invasão comunista aos Estados Unidos, num exercício de pura nostalgia e entretenimento, com referências explícitas a diversos clássicos do cinema B como O Dia Em Que a Terra Parou (51), A Invasão dos Discos Voadores (56), A Guerra dos Mundos (53) e O Planeta dos Macacos (67).

Imagens de "A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça"




A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça




A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
Álbum de Fotos





Título Original: Sleepy Hollow
Gênero: Teigem/Ano: EUA/1999
ão: Direção: T
Johnny Depp / Christina Ricci / Car Van Dien / Miranda Richardson / Michael Gambon / Marc Pickering / Christopher Walken / Michael Gough / Christopher Lee / Jeffrey Jones / Lisa Marie / Richard Griffiths / Ian McDiarmid / Steven WaddingParte 01

DEPP-personagens:o grande arquiteto Oscar Niemeyer que completa 102 anos hoje,em plena atividade profissional..

Niemeyer completa 102 anos em plena atividade na terça-feira

Responsável pela construção de Brasília na década de 50, arquiteto segue trabalhando em seu estúdio no Rio




Arquiteto não mudará rotina por conta do aniversário
Fábio Motta/Agência Estado
Arquiteto não mudará rotina por conta do aniversário
RIO DE JANEIRO - O arquiteto Oscar Niemeyer completará 102 anos de idade amanhã em plena atividade e depois de ter superado vários problemas de saúde que o obrigaram a submeter-se a duas cirurgias nos últimos meses.
Niemeyer, que ainda trabalha em seu estúdio no bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro, não alterará sua rotina por causa do aniversário, pelo qual já começou a receber felicitações de diferentes partes do mundo, conforme disse nesta segunda-feira, 14, seu neto Carlos Oscar Niemeyer.

"Amanhã vai trabalhar normalmente. Seguramente a família irá almoçar com ele e alguns amigos, mas não temos prevista nenhuma comemoração especial", contou o neto de Niemeyer. À tarde, segundo ele, Niemeyer terá aula de filosofia com um professor particular, como costuma fazer todas as terças-feiras há cinco meses.

Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares Filho nasceu no Rio de Janeiro no dia 15 de dezembro de 1907 e, como arquiteto, sempre se caracterizou por ser um inovador nas formas arquitetônicas, com uma obsessão por dotar dar curvas ao cimento, característica que o tornou um dos precursores da arquitetura moderna.

Documentário

"Quando me encomendam um edifício público, tento torná-lo lindo, diferente, que gere surpresa. Porque sei que os mais pobres não aproveitam nada, mas eles podem parar para vê-lo e ter um momento de prazer, de surpresa. É essa a forma como a arquitetura pode ser útil", explica o próprio arquiteto em "Oscar Niemeyer: A Vida É Um Sopro", um documentário de 90 minutos lançado há dois anos e que resume sua vida e sua obra.

No mesmo documentário, Niemeyer admite que as curvas de seus edifícios tiveram como inspiração as montanhas do Rio de Janeiro e as formas do corpo feminino.

Seu amor pelas mulheres o levou a casar-se em novembro de 2006, aos 98 anos, enquanto se recuperava de cirurgia e escondido de sua família, com Vera Lucia Cabreira, 40 anos mais nova que ele e que foi sua secretária durante décadas.

O arquiteto se casou pela primeira vez aos 21 anos com Annita Baldo, com quem teve uma filha chamada Ana Maria e viveu 76 anos junto, até sua morte, em 2004.

Foi com a mulher como inspiração que Niemeyer se tornou um dos arquitetos mais conhecidos do mundo, com obras construídas nos cinco continentes e com uma cidade como galeria viva para sua arte: Brasília, declarada Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Brasília

A capital brasileira, inaugurada em 1960 no meio do nada e sob os planos de seu amigo Lúcio Costa, abriga várias das principais obras deste gênio: o Palácio do Planalto, o Congresso, a sede do Supremo Tribunal Federal, a Catedral e o Museu Nacional, entre outros.

Mas suas obras se espalham por todo Brasil e entre elas destacam-se o conjunto arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte; o Pavilhão Lucas Nogueira Garcez, mais conhecido como "Oca", além do Auditório Ibirapuera, ambos no parque em São Paulo; e o Museu de Arte Contemporânea de Niterói (RJ).

No âmbito político, Niemeyer se caracterizou por ser um fervoroso comunista, razão pela qual teve que exilar-se em Paris durante a ditadura no Brasil.

Em 1966, desenhou sem cobrar nada a sede do Partido Comunista Francês, em Paris, e também deixou sua marca no Centro Cultural Le Havre (França) e em um zoológico em Argel (Argélia), entre outros.

Entre as últimas obras que saíram da prancha do arquiteto está o Centro Cultural Internacional Oscar Niemeyer, que será inaugurado em maio de 2010 em Avilês (Espanha).

Atualmente, trabalha no projeto de uma torre de 60 metros que será construída em Niterói, além da sede de uma biblioteca árabe-sul-americana, em Argel, trabalhos que teve que interromper durante várias semanas por causa das cirurgias às quais se submeteu em setembro e outubro.

domingo, 13 de dezembro de 2009

NOTÍCIAS-JOHNNY DEPP

Veja foto de Johnny Depp e Kate Moss que inspirou ensaio de Lindsay Lohan

Casal foi clicado nos anos 90 pela fotógrafa Annie Leibovitz.
Do EGO, no Rio

Lindsay Lohan posou para ensaio sensual bastante ousado para as páginas da revista "Muse", inspirado em fotos do casal Kate Moss e Johnny Depp, que teve um relacionamento incendiário nos anos 90. Neste domingo, 13, começou a circular pela rede a imagem, feita pela renomada fotógrafa de celebridades Annie Leibovitz, que serviu como referência para o ensaio de LiLo.


Annie Leibovitz/Reprodução

Johnny Depp e Kate Moss posaram para as lentes da fotógrafa Annie Leibovitz






Revista/Reprodução

Lindsay Lohan posa para Muse, com o modelo Petey Wright

PROMOÇÃO "Lendo Nas Entrelinhas"






O ano está acabando, é tempo de féstas e alegria.

Que tal ganhar um livro de presente?

Pois bem...o espirito Natalino contagiou o Lendo Nas Entrelinhas e serão sorteado 2 livros.


Sorteio número 1: Livro PEGANDO FOGO (Meg Cabot).
Para saber mais sobre o livro clique AQUI

Sinopse: Katie Ellison é uma mentirosa de mão-cheia e ainda por cima guarda um grande segredo sobre seu antigo melhor amigo, Tommy, que, quatro anos antes, criou um sério tumulto e acabou saindo da cidade. Agora, ele está de volta, e Katie vai ter que decidir se prefere continuar com as mentiras para manter as aparências, ou se finalmente vai abrir a boca e aceitar que as coisas nunca mais serão como antes.




Sorteio número 2: Livro A DAMA DAS AMENDOAS (Marina Fiorato)
Para saber mais sobre o livro clique AQUI

Sinopse: Na antiga Itália do século XVI, a jovem Simonetta perde o marido Lorenzo - poderoso senhor feudal. Certo dia, o jovem pintor Bernardino Luini, aprendiz do gênio Da Vinci, a avista por acaso nos bancos da Igreja de Santa Maria dei Miracoli, na Toscana. Ele estava ali para pintar um afresco nas paredes da igreja por encomenda do cardeal de Milão. Ela, muito bonita e recém viúva, rezava pela alma do amado. Era uma época de grand
es transformações, a prática comercial dos judeus incomodava a Igreja Católica. Foi nesse cenário que grandes guerras se desenrolaram e muitas damas ficaram viúvas precocemente, como Simonetta: de um casamento que unira duas poderosas famílias, restava a essa pobre dama apenas dívidas. Como reconstruir a vida em meio a batalhas que dizimavam e destruíam tudo?

Para participar basta seguir as regras:

1. Ser seguidora do blog - Se ainda não for seguidor do Lendo Nas Entrelinhas, basta clicar em seguir no Amigos (coluna à direita) e se cadastrar. Você pode usar sua conta google do gmail ou do orkut.

2. Comente nesta postagem - Deixe um comentário nesta postagem dizendo qual Livro você gostaria de ganhar.
* Cada participante concorrerá apenas por um dos livros

3. Preencher um formulário do Google Docs - Com os dados solicitados, no link logo abaixo.

--->PREENCHA O FORMULÁRIO AQUI

4 . Poderão participar todos que seguirem as regras 1, 2 e 3 no período de 28/11/2009, até às 23:59 hs do dia 18/12/2009.

5. Cada participante terá direito a um número, que será divulgado aqui no Lendo Nas Entrelinhas no dia 19/12/2009.

6. O sorteio se realizará no dia 20/12/2009 através do site http://www.random.org e o resultado será divulgado no dia 21/12/2009 aqui no Lendo Nas Entrelinhas.

7. Os ganhadores serão comunicados por e-mail, e terão 5 dias para respondê-lo com os dados para entrega.

8. Os participantes devem residir em território nacional

9. Caso o ganhador não responda ao email, será realizado outro sorteio.

***Quer concorrer aos dois livros? É facil!!

-> Se você tem um Blog, divulgue o banner da promoção e concorra aos dois livros.Não se esqueça de deixar o endereço do seu blog no campo do formulário (Estou Divulgando no Blog). O Banner Link se encontra logo abaixo e na coluna à direita.

DEPP-datas comemorativas-13 de dezembro - Dia Nacional dos Cegos

Dia do Cego

No calendário brasileiro, dia 13 de dezembro é comemorado o Dia do Cego. Mas a intenção do legislador não foi a de provocar compaixão das pessoas.
A cegueira é uma limitação física, da mesma forma que  a surdez, mudez, a paralisia ou a ausência de um membro (braço, perna...).
A cegueira não impede uma pessoa de ter uma vida social, moral e espiritual. Muitas vezes isso é um estímulo, demonstrando o quanto são capazes as pessoas com tal limitação.
Em todas as épocas houveram cegos que demonstraram grande firmeza de espírito e extraordinária força de vontade!
Uma das pessoas que se destacaram foi o cantor, compositor e ativista Steveland Judkins Hardaway, mais conhecido como Stevie Wonder. Stevie já nasceu cego, mas isso não o impediu de ser um dos artistas mais admirado e reconhecido de todo o mundo.

Você pode até não saber quem é Stevie Wonder, mas já deve ter ouvido o sucesso
"I just called to say I love you": 



Outro artista fantástico é Andrea Bocelli. Andrea é tenor de Ópera, possuía glaucoma congênito e já estava progressivamente perdendo a visão, quando num jogo de futebol ainda em sua infância, foi atingido na cabeça fazendo-o perder a visão definitivamente. Continuou seus estudos se formando e obtendo doutorado em direito na Universidade de Pisa, mas passou a estudar música e a ter aulas de canto em tempo integral até chegar ao que é hoje.

Primeiro dueto de Andrea Bocelli com Zucchero numa turnê européia indicada por Luciano Pavarotti (música Miserere):







Em 1995, sua canção "Con te partirò" ficou em primeiro lugar no Festival de San Remo:


  O AMOR É CEGO

 

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

ABSOLUTAMENTE LOS ANGELES(L.A. Without a Map johnny depp)-1998-PRTICIPAÇÂO ESPECIAL DE JOHNNY DEPP.

  






Aos 22 anos, Richard, apesar de ter herdado a funerária de seu pai, deseja ser escritor. Sua vida vira de cabeça para baixo quando, em sua pequena cidade na Inglaterra, conhece e se apaixona por Bárbara, uma bela e jovem aspirante a atriz que mora em Los Angeles e está de passagem. Ele decide viajar para a Califórnia para encontrar a garota, encorajado pelo espírito de seu herói (Johnny Depp). Ao mesmo tempo em que o namoro entre os dois acontece, Richard conhece como as coisas funcionam em...Leia a sinopse na íntegra.

Gênero:  Comédia
Tempo:  107 min.
Lançamento:  1998
Classificação:  14 anos
Distribuidora:  Imovision
Elenco e créditos
Estrelando:  David Tennant, Vinessa Shaw, Vicent Gallo, Julie Delpy, Jame Le Gros, Saskia Reeves, Cameron Bancroft, Johnny Depp, Amanda Plummer, Anouk Aimée.
Dirigido por:  Mika Kaurismaki
Produzido por:  Pierre Assouline, Julie Baines, Sarah Daniel
    
   

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

PROMOÇÃO NÉCTAR DA FLOR.


http://1.bp.blogspot.com/_yDHk2N_m9Uo/SyAWN66PC9I/AAAAAAAAIco/SINcth42AKA/s1600/chamada_nectareu1.jpg



10 Dezembro 2009

Promoção Eu Hoje


ESSA PROMOÇÃO VALE À PENA


Os blogs Néctar da Flor e Eu Hoje! querem presentear os amigos


Serão sorteados:

6 pacotes com curso de inglês Quick English + boné + camisa + meia + chaveiro + pochete, tudo com a bandeira do Canadá.
6 Layouts feitos pela Lelinha, da Fábrica de Layouts [Os modelos são mais simples, 2 colunas, com o topo decorado (de acordo com o tema/clima do blog de cada uma das vencedoras, ou seja, apesar do modelo ser mais simples, será exclusivo) e um background (fundo) colorido.
No topo conterá uma referência ao blog Néctar da Flor e site Eu Hoje! , pequena do ladinho que mais for conveniente.]1 tela 25x 25 da Artista Plástica ADiniz[surpresa]
Por que Canadá? Porque uma parte da Equipe trabalha de lá, fazendo o humor porreta pras bandas da Alegria melhorar.

O site Eu Hoje! já está fazendo parte dos melhores blogs do Brasil, então não fique sem essa animação e atualize seu humor todos os dias, mostrando para quem acessa o seu estado de espírito.Como faz para participar?
Leiam as regras abaixo e sigam asinstruções corretamente.

ATENÇÃO: Só será validado o blog que fizer todas as instruções corretamente.
1 - Se cadastrar no pacote gratuito do EuHoje!

2 - Deixar um comentário no Néctar da Flor avisando que se cadastrou e que está participando da promoção.
3 - Colocar o humor no seu blog.
4 - Postar sobre a promoção no próprio blog.

5 - Quem já for cadastrado no Eu Hoje! só informa o nome do blog e retorne para o item 4.
O sorteio será realizado pelo RANDOM e filmado.
Os 6 primeiros ganharão os livros e depois mais 6 serão sorteados para ganhar o layout, onde o 13º ganhador levará a tela.Mostrem que a emoção realmente vale a pena!Corra lá e faça já a sua inscrição!
Clica aqui:

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

DEPP NOTÍCIAS...Johnny Depp vai viver um vampiro no cinema

Johnny Depp vai viver um vampiro no cinema

O ator foi convidado para novo longa com produção de Tim Burton.
Do EGO, no Rio
Johnny Depp vai viver um vampiro em novo filme produzido por Tim Burton. O longa foi inspirado na novela "Dark Shadows", sucesso dos anos 60.
Segundo o produtor Graham King, já está tudo acertado com o ator, que interpretará Barnabas Collins, e com o cineasta.

“Vamos começar a filmar em Setembro/Outubro com Tim Burton e Johnny. Já estamos trabalhando bastante no roteiro, mesmo ele (Tim) estando envolvido com 'Alice no país das maravilhas'", garantiu King, de acordo com o blog Livejournal.

“Dark Shadows” era uma novela exibida diariamente na ABC e tinha Jonathan Frid no papel do vampiro Collins.

Se essa moda dos vampiros continuar em 2010, o filme é sucesso garantido.

Reuters/Agência

Johnny Depp, Helena Bonham Carter  e Tim Burton

DEPP DATAS..9 de dezembro-dia internacional de combate á corrupção.

reflexão



 
Hoje é o Dia Internacional contra a Corrupção.
O que cada um de nós tem a ver com isso?

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

NOTICIAS DE JOHNNY DEPP...

Johnny Depp faz saudação típica ao desembarcar em aeroporto japonês

Ator está no país para divulgar seu novo longa, 'Public Enemies'
Do EGO, no Rio


O ator Johnny Depp mostrou seu bom-humor ao desembarcar no Japão, nesta terça-feira, 8. Johnny, que está no país para promover seu novo longa, "Public Enemies", fez a saudação típica dos japoneses no aeroporto de Narita, em Tóquio. Além da beleza, a simpatia pode ter ajudado na hora de eleger Depp como o homem mais sexy de 2009 segundo a revista "People".

Agência/Reuters

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Medo e Delírio [Fear and Loathing in Las Vegas]-1998







Título Original: Fear and Loathing in Las Vegas

Gênero: Drama

Origem/Ano: EUA/1998

Duração: 118 min

Direção: Terry Gilliam

Elenco:

Johnny Depp...
Benicio Del Toro...
Tobey Maguire...
Ellen Barkin...
Gary Busey...
Christina Ricci...
Mark Harmon...
Cameron Diaz...
Katherine Helmond...
Michael Jeter...
Penn Jillette...
Craig Bierko...
Lyle Lovett...
Laraine Newman...



Sinopse: Medo e Delírio pode ser interpretado como um mergulho inconseqüente pelo universo das drogas.

É bem verdade que o protagonista se entope de maconha, cocaína, álcool, éter, mescalina, ácido e qualquer outra substância que dê "barato’’. Mas Terry Gilliam (de Brazil - O Filme e Os Doze Macacos) vai além. Propõe um ensaio sobre a liberdade, que cada um aproveita como quer ou como pode, preocupando-se acima de tudo em refletir um estado de espírito.

Baseado em obra do jornalista Hunter S. Thompson, o filme recusa-se a avaliar os prós e contras do uso das drogas. Limita-se a enfocar os seus efeitos – desde a atraente sensação de incoerência até as conseqüências de uma "bad trip’’. O estilo visual acompanha o tom alucinógeno, enchendo a tela com imagens atordoantes como um suposto ataque de morcegos e uma seqüência em que os motivos de decoração do carpete começam a subir pelas pernas do protagonista.

O filme só faz sentido quando o espectador lembra que a ação se passa em 1971, quando as drogas deixavam de ter a conotação de paz, amor e a inocência dos anos 60. O alter ego de Thompson, Raoul Duke (Johnny Depp), tenta justamente resgatar os velhos e bons tempos. O título pode ser interpretado como a sua "última viagem’’. Sempre na companhia de seu advogado tresloucado, dr. Gonzo (Benicio Del Toro, de Os Suspeitos).

As aventuras da dupla têm início na estrada, a caminho de Las Vegas, onde eles deveriam cobrir um evento esportivo. Na bagagem, uma máquina de escrever, roupas com estampas floridas ou espalhafatosas e muita, muita droga.

Como os personagens dificilmente estão em condições de concatenar suas idéias, Gilliam adota o recurso da narração – na voz do próprio protagonista. Isso enriquece o filme, na medida em que Duke, o narrador, é capaz de se distanciar de Duke, o personagem. Às vezes, ele parece um locutor de futebol que tenta explicar como anda o jogo. E o distanciamento ainda lhe permite perceber o ridículo das situações em que se mete.

A dupla vê o que bem entende (com a ajuda da câmera distorcida), destrói quartos de hotel e apronta com todos, mesmo sem querer. Uma seqüência inspirada se dá em frente a parque de diversões, quando Duke diz a si mesmo que vai conseguir entrar. Enquanto o personagem caminha cambaleante em direção da catraca, amassando dois dólares na mão, o narrador descreve a sensação. A frustração de estar tão perto e, ao mesmo tempo, tão longe é impagável.


Álbum de Fotos

















Dados Do Arquivo
Tamanho: 700 MB
Qualidade: DVDRip
Legenda: Pt-Br

      DOWNLOAD TORRENT E LEGENDA 



domingo, 6 de dezembro de 2009

FLAMENGO HEXACAMPEÃO BRASILEIRO DE 2009

Tô muito feliz meu mengão foi hexacampeão brasileiro..
Parabéns a Nação Rubro-Negra....
Dá-lhe,Dá-lhe Ó

sábado, 5 de dezembro de 2009

REVISTA ELEGE JOHNNY DEPP COMO MELHOR ARTISTA DA DÉCADA..

Revista elege Johnny Depp como o melhor artista da década

Lista da 'Entertainment Weekly' conta com Beyoncé e Tina Fey

Não tem para ninguém. Depois de ser escolhido o homem mais sexy do ano pela revista "People", Johnny Depp ganhou mais uma eleição da mídia americana. Segundo a revista "Entertainment Weekly" de dezembro, Johnny, de 46 anos,  é o melhor artista da década. A lista da publicação conta ainda com a humorista Tina Fey e a cantora Beyoncé.

Reprodução /Reprodução

Johnny depp: o melhor da década

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

O BRAVO-FILME DE 1997-JOHNNY DEPP DIRIGIU E ESTREIOU..

O Bravo [The Brave] (1997) 

 

 

 


Sinopse:
Índio americano (Depp) desempregado vive num trailer com a esposa e dois filhos. Convencido de que não tem mais como sustentar sua família, ele concorda em ser torturado até morrer por uma estranha gangue de criminosos por 50 mil dólares.

Ficha Técnica:
Título no Brasil: O Bravo
Título Original: The Brave
País de Origem: EUA
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 119 minutos
Ano de Lançamento: 1997
Estúdio/Distrib.: Spectrama
Direção: Johnny Depp

Elenco:
Johnny Depp ... Raphael
Marlon Brando ... McCarthy
Marshall Bell ... Larry
Elpidia Carrillo ... Rita
Frederic Forrest ... Lou Sr.
Clarence Williams III ... Father Stratton
Max Perlich ... Lou Jr.
Luis Guzmán ... Luis
Cody Lightning ... Frankie
Nicole Mancera ... Marta
Floyd 'Red Crow' Westerman ... Papa
Pepe Serna ... Alessandro
Lupe Ontiveros ... María
Alexis Cruz ... Weyman
Chuck E. Weiss ... Strange man in office.


Dados Do Arquivo
Tamanho: 896 MB
Qualidade: DVDRip
Legenda: Pt-Br

DOWNLOAD TORRENT E LEGENDA

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Cannes Man 1996, aparição de johnny deppp como ele mesmo..participação especial..

Cannes Man
<< Return to previous page <

Cannes Man Cannes Man Icon_movClass_M

1996, 88 minutes, Rated M 1996, 88 minutos, Rated M
The Cannes Film Festival. O Festival de Cannes.
Its where deals get made, producers get laid, and stars get paid. Sua onde obter ofertas feitas, os produtores de transar, e as estrelas começ pagas. Its where all the movie industry meets to buy and sell all the movies on the planet. Sua onde toda a indústria de cinema reúne-se para comprar e vender todos os filmes sobre o planeta. And its where the art of the deal can be filled with more laughs than the deal itself. E o seu onde a arte do negócio pode ser preenchido com mais risos do que o negócio em si.
Sy Lerner is the quintessential movie producer, when he makes a bet that he can take any kid off the street and turn him into a superstar overnight using the universal language of the festival: hype. Sy Lerner é o produtor de cinema por excelência, quando ele faz uma aposta que ele pode tomar qualquer criança fora da rua e transformá-lo em um astro durante a noite usando a linguagem universal do festival: hype. He meets Frank Rhinoslavsky and turns him into 'Frank Rhino, one of the hottest screenwriters to hit Cannes since Faulkner and Hemingway.' Ele conhece Frank Rhinoslavsky e transforma-lo em 'Frank Rhino, um dos roteiristas mais quente para bater Cannes desde Faulkner e Hemingway. Its not long before celebrities and producers are lining up to meet this hot young star. Seu não muito antes de celebridades e os produtores estão fazendo fila para atender a essa estrela quente jovens. Dennis Hopper, Treat Williams, Johnny Depp, John Malkovich and more, all want to meet the 'next Quentin Tarantino'. Dennis Hopper, Treat Williams, Johnny Depp, John Malkovich e mais, todos querem conhecer a 'next Quentin Tarantino. Sy charms them with his own particular blend of hype and substance, and by the end of the festival, has lined up one of the great casts of all time. Sy encantos-los com sua própria mistura especial de hype e substância, e até o final do festival, alinhou um dos grandes elencos de todos os tempos. But Sy Lerner still has a few tricks up his sleeve for his wife, Frank Rhino and the myriad of people that have invested in this nonexistent, non-scripted film. Sy Lerner, mas ainda tem alguns truques na manga para sua esposa, Frank Rhino e da miríade de pessoas que investiram neste inexistente, não-film script. He drops dead. Ele cai morto. And all the money they invested in his film goes up in smoke. E todo o dinheiro que investiu em seu filme vai fumaça. But in the end, Sy Lerner has pulled the ultimate con, making him truly the one and only, 'Cannes Man'. Mas no final, Sy Lerner tem puxado os golpes, fazendo dele um verdadeiro e único ", Cannes Man '.
Director: Diretor:
Richard Martini [1] , Richard Martini [1],
Starring: Elenco:
Seymour Cassel [20] , Chris Penn [21] , Benicio Del Toro [16] , Johnny Depp [94] , James Brolin [19] , Jim Jarmusch [5] , Jon Cryer [30] , Robert Evans [2] , Francesco Quinn [3] , Lara Flynn Boyle [13] , Ann Cusack [4] , Harvey Weinstein [3] , John Malkovich [51] , Seymour Cassel [20], Chris Penn [21], Benicio Del Toro [16], Johnny Depp [94], James Brolin [19], Jim Jarmusch [5], Jon Cryer [30], Robert Evans [2], Francesco Quinn [3], Lara Flynn Boyle [13], Ann Cusack [4], Harvey Weinstein [3], John Malkovich [51],  

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

HOJE,DIA MUNDIAL DE COMBATE A AIDS-O PRECONCEITO É O MAIOR OBSTÁCULO..JOHNNY DEPP NAHH A SERVIÇO DA SAÚDE....



1º DE DEZEMBRO
DIA MUNDIAL DE COMBATE A AIDS
“Combate ao Preconceito e ao Estigma”
Transformar o 1º de dezembro em Dia Mundial de Luta Contra a Aids foi uma decisão da Assembléia Mundial de Saúde, em outubro de 1987, com apoio da Organização das Nações Unidas - ONU. A data serve para reforçar a solidariedade, a tolerância, a compaixão e a compreensão com as pessoas infectadas pelo HIV/Aids. A escolha dessa data seguiu critérios próprios das Nações Unidas. No Brasil, a data passou a ser adotada a partir de 1988.
O preconceito e a discriminação contra as pessoas vivendo com HIV/Aids são as maiores barreiras no combate à epidemia, ao adequado apoio, à assistência e ao tratamento da Aids e ao seu diagnóstico. Os estigmas são desencadeados por motivos que incluem a falta de conhecimento, mitos e medos. Ao discutir preconceito e discriminação, o Ministério da Saúde espera aliviar o impacto da Aids no País. O principal objetivo é prevenir, reduzir e eliminar o preconceito e a discriminação associados à Aids. O Brasil já encontrou um modelo de tratamento para a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, que hoje é considerado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) uma referência para o mundo. Agora nós, brasileiros, precisamos encontrar uma forma de quebrarmos os preconceitos contra a doença e seus portadores e sermos mais solidários do que somos por natureza. Acabar com o preconceito e aumentar a prevenção devem se tornar hábitos diários de nossas vidas.
O que é Aids
Uma deficiência no sistema imunológico, associada com a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana HIV – (Human Immunodeficiency Virus), provocando aumento na susceptibilidade a infecções oportunísticas e câncer.
Transmissão:
- o vírus HIV pode ser transmitido pelo sangue, sêmen, secreção vaginal, leite materno;
- relações sexuais homo ou heterossexuais, com penetração vaginal, oral ou anal, sem proteção da camisinha, transmitem a Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis e alguns tipos de hepatite;
- compartilhamento de seringas entre usuários de drogas injetáveis;
- transfusão de sangue contaminado;
- instrumentos que cortam ou furam, não esterilizados;
- da mãe infectada para o filho, durante a gravidez, o parto e a amamentação.

Tratamento:
Atualmente a terapia com os chamados “anti-retrovirais” proporciona melhoria da qualidade de vida, redução da ocorrência de infecções oportunísticas, redução da mortalidade e aumento da sobrevida dos pacientes. (Os anti-retrovirais são medicamentos que suprimem agressivamente a replicação do vírus HIV).

Fique sabendo:
A Aids não é transmitida pelo beijo, abraço, toque, compartilhando talheres, utilizando o mesmo banheiro, pela tosse ou espirro, praticando esportes, na piscina, praia e, antes de tudo, não se pega aids dando a mão ao próximo, seja ele ou não soropositivo.

Fontes:
Programa Nacional de DST e Aids do Ministério da Saúde.
Secretaria de Estado da Saúde do Distrito Federal

domingo, 29 de novembro de 2009

MENINAS QUE INVEJA!! QUERIA TÀ NO LUGAR DELA,DORMIR COM DEPP TODO DIA ...AIIIIIIII

Vanessa Paradis, a mulher de Johnny Depp, está em capa de revista

Atriz e cantora está na edição de dezembro da 'Marie Claire' francesa
Do EGO, no Rio

Vanessa Paradis causa inveja em muitas mulheres. Não está ligando o nome à pessoa? Mais fácil pensar no marido: Ela é a mulher de Johnny Depp! Atriz e modelo, Vanessa está na capa da edição inglesa da "Marie Claire" de dezembro. Que tal?


Marie Claire/Reprodução

Vanessa Paradis na 'Marie Claire' francesa


Marie Claire/Reprodução






sábado, 28 de novembro de 2009

CANTINHO DO VINI

o VINI,é ums ds pessoas mais legais que conheci ,professsor de música,tem um talento impressionante..
Tem um bom gosto maravilhoso para músicas lindas e filmes melosos 
Lembra EM ALGUM LUGAR DO PASSADO?
pensei que vc não fosse gostar do filme.mas adorou e pela música do filme..
VINI,espero que vc goste dessa homenagem ..
Resolvi falar de um compositor que é seu ídolo :

 
LUDWIG VAN BEETHOVEN... o meninu naum é fraco naum  rsrs
 

 Beethoven


b e e t h o v e n   
(1770-1827) Ludwig van Beethoven nasceu em Bonn (Alemanha), em 16 de dezembro de 1770, descendente de uma família de remota origem holandesa, cujo sobrenome significava ‘horta de beterrabas’ e no qual a partícula van, não indicava nenhuma nobreza. Seu avô, também chamado Luís, foi maestro de capela do príncipe eleitor de Bonn. O pai de Beethoven, Johann, foi tenor nessa mesma capela. Pretendeu amestrá-lo como menino prodígio no piano, mas era um homem fraco, inculto e rude, que terminou consumido pelo alcoolismo. Beethoven teve infância infeliz.
Aos oito anos de idade apresentou um concerto para cravo. Em uma carta pública de 1780, Christian Gottlob Neefe afirmava que o seu discípulo, Beethoven, de dez anos, dominava todo o repertório de J.S.Bach e o apresentava como um segundo Mozart.
Beethoven fez os primeiros estudos em Bonn sob a orientação de Neefe (1781), tornando-se organista-assistente da capela eleitoral (1784). Iniciou sua carreira de compositor com alguns lieder, três sonatas para piano e uns quartetos para piano e cordas. Sua fama começou a transcender e o príncipe eleitor o enviou para Viena. Maximiliano, arquiduque da Áustria, subsidiou seus estudos.
Foi uma viagem pouco proveitosa, pois Beethoven teve de voltar em pouco tempo para assistir a morte da mãe. Mesmo assim, chegou a conhecer Mozart já doente, absorto pela composição de Don Giovanni. Em Bonn, Beethoven atravessou um período de grandes dificuldades financeiras.
Pouco tempo depois, Haydn leu algumas de suas obras e convidou a voltar para Viena para seguir ‘estudos vigiados’ com ele. Também tomou lições com Albrechtsberg e Salieri. Exibia-se como pianista virtuose nos salões aristocráticos. Apesar das suas maneiras rudes e do seu republicanismo ostensivo, sempre esteve Beethoven generosamente protegido pela alta sociedade vienense (o arquiduque Rodolfo, as famílias Brunswick e Lichnowsky, o conde Rasumovsky etc.). Melhorou de posição social e formação musical pela ajuda de mecenas, que em 1792 lhe possibilitaram a mudança definitiva para Viena.
Em 1795 Beethoven publicou o sua primeira obra, integrada pelos Trios para piano Op. 1 (3). Obras que, como as Sonatas para piano Op. 2, mostravam a personalidade (embora não ainda o gênio) de seu criador. Esse gênio começou a se revelar só anos depois, em seu Op. 7 e Op. 10.
Os últimos anos do século XVIII parece ter sido a época mais feliz da desditosa vida de Beethoven: o sucesso profissional, a proteção e lisonja dos poderosos, as amizades profundas, talvez o amor. Embora várias figuras femininas tenham cruzado a sua vida, provavelmente a única realmente importante tenha sido a ‘jovem amada’, Giulietta Guicciardi, cujos 17 anos e encanto fútil conquistaram Viena, e a quem o compositor dedicou a sua Sonata ao luar.
Também foi nessa época (1801) que se instalou em Beethoven uma crescente surdez, que em pouco tempo se tornaria irreversível. Desesperado, Beethoven redigiu em Heiligenstadt, então subúrbio de Viena, seu testamento, decidido a suicidar-se. A crise foi, porém, superada e, sendo parcial sua surdez, o compositor ainda pôde continuar a sua carreira. Como ele mesmo descreveu, ‘foi a arte, e só a arte, que me salvou’. Beethoven utilizava uma corneta para atenuar sua surdez, antes de ter de usar os cadernos de anotações.
Foi o tempo de sua única ópera, Fidélio, exaltação do amor conjugal, das grandes Sonatas para piano - Patéticae Apaixonado, dos monumentais concertos, dos quartetos para cordas do período médio; o tempo, principalmente, das obras que lhe deram maior popularidade, suas revolucionárias sinfonias e, em especial, a Sinfonia n.º 5. Os membros da aristocracia austríaca, lhe concederam em 1809, uma pensão vitalícia. Sua carreira pública chegou ao ponto culminante em 1814, por ocasião do Congresso de Viena.
Depois desses sucessos, a surdez começou a piorar, isolando o mestre quase totalmente do mundo. A carência afetiva o levou a se trancar cada vez mais dentro de si mesmo. Seus últimos anos também se viram amargurados pela saúde precária, dificuldades financeiras e, principalmente, pelos problemas com seu sobrinho Karl, os quais, indiretamente, foram a causa da sua morte: após uma discussão, Beethoven saiu de casa no meio de uma tempestade, contraindo uma pneumonia que pôs fim a seus dias em 26 de março de 1827. O cortejo fúnebre contou com uma impressionante multidão de 20.000 pessoas, coisa inusual em uma Viena que produzia gênios e depois, como com Mozart, dava-lhe as costas.
Beethoven impressionou os contemporâneos, além de sua arte, pelas manifestações rudes de sua independência pessoal. Em torno de sua forte personalidade formaram-se lendas, destinadas a salientar os sofrimentos e a grandeza do homem titânico, chegando a falsear a perspectiva biográfica. A famosa carta (sem data e sem endereço) à ‘amada imortal’ não tem maior importância para a interpretação da obra, porque na arte de Beethoven não é sensível o elemento erótico. Errada também é a opinião de ter o mestre sofrido pela incompreensão dos contemporâneos: teve, em vida, os maiores sucessos e foi admirado como nenhum outro compositor.
Também teve notável êxito material e, chegou a ditar preços aos seus editores. Mas, sobretudo, foram mal compreendidos os efeitos de sua doença. Até 1814, a surdez não foi total, permitindo a elaboração de numerosas obras-primas musicais; depois dessa data, foi a própria surdez que abriu ao compositor as portas de uma nova arte, toda abstrata. A grandeza de Beethoven não foi, prejudicada pela surdez, e sua vida não se resume numa luta heróica contra a doença.
As obras de Beethoven são intensamente romântica pela extremo subjetivismo, no qual tem lugar a tragicidade patética e o júbilo triunfal, o idílio e o humorismo burlesco, o idealismo eloqüente e a música profunda. Mas a forma dessas manifestações é a do Classicismo vienense de Haydn e Mozart; são cuidadosamente elaboradas e severamente disciplinadas. Essa obra romântica é, paradoxalmente, a mais clássica que existe.
Beethoven viu-se admirado até a idolatria pelos seus contemporâneos. Sua influência sobre toda a música do século XIX foi avassaladora. Também as obras difíceis, as últimas sonatas e os últimos quartetos foram, enfim, compreendidos, e a imensa popularidade de Beethoven chegou a estender-se à Sinfonia n.º 9. Mas no fim do século começaram a surgir as primeiras vozes cépticas.
Achou-se que Beethoven tinha escrito sinfonias, sonatas e quartetos os mais perfeitos, de modo que sua arte significava um fim, embora glorioso. Debussy ousou manifestar aversão à eloqüência do mestre. Na época moderna já não existem compositores beethovenianos. Sua influência parece terminada. Stravinsky encontrou palavras duras contra o subjetivismo e o emocionalismo do mestre, o que não o impediu de declarar a fuga para o Quarteto de cordas Op. 133 (1825), como a maior manifestação da música ocidental.
Diferente de muitos outros compositores, Beethoven não foi menino prodígio. Teve evolução lenta. À sua primeira obra escrita e publicada em Viena deu o nome de Trios Op. 1, fazendo entender, com razão, apenas interesse biográfico e histórico. Também é necessário descontar algumas obras escritas por encomenda e elaboradas sem inspiração, como a Sinfonia de batalha, que foi composta em 1813 e apresentada em Viena em 1816 com sucesso retumbante mas efêmero.
Resta a grandiosa evolução, dos Trios Op. 1 até o último Quarteto Op. 135 (1826), evolução que não tem igual na história da música. O musicólogo russo Wilhelm von Lenz, considerando 1802 e 1814 como datas decisivas na vida do mestre, formulou a tese de três fases da criação de Beethoven: mocidade, maturidade, últimas obras. Embora cronologicamente inexata (algumas obras não se enquadram bem no esquema) a tese de Lenz é até hoje geralmente aceita.
Primeira fase - A primeira fase, de 1792 até 1802, caracteriza-se pelo frescor juvenil, pelo brilho virtuosístico, pelo estilo galante do séc. XVIII, embora interrompida por tempestades pscológicas bem pré-românticas e acessos de melancolia. Galante, naquele sentido, é o famoso Septeto Op. 20 (1799-1800); despreocupadamente alegre é a sua Sonata para piano e violino em fá maior Op. 24 - Primavera (1801); bem mozartiano ainda é o Concerto para piano n.º 3 em dó menor (1800).
A melancolia manifesta-se na Sonata para piano n.º 3 em ré maior Op. 10 (1796-1798), nos Quartetos Op. 18 (6) (1798-1800) e na Sonata para piano e violino n.º 2 em dó menor Op. 30 (1802), mas sobretudo na célebre Sonata para piano n.º 2 em dó sustenido menor Op. 27, à qual a posteridade tem dado o apelido de Sonata ao luar. Obra capital do pré-romantismo beethoveniano é a Sonata para piano em dó menor Op. 13, à qual o próprio mestre deu o nome de Patética (1798). A evolução do mestre evidencia-se na diferença sensível entre a Sinfonia n.º 1 (1799) e a Sinfonia n.º 2 (1802).
Duas obras das mais conhecidas de Beethoven não se enquadram bem no esquema de Lenz. Em 1803, já em plena segunda fase, a famosa Sonata para piano e violino em lá maior Op. 47 - Kreutzer é o exemplo mais brilhante da primeira fase. Por outro lado, já em 1802, a Sonata para piano n. 2 em ré menor Op. 31 manifesta toda a tragicidade do gênio beethoveniano.
Segunda fase - A segunda fase, a da plena maturidade, abre em 1803 com a colossal Sinfonia n.º 3 em mi bemol maior - Eroica. Do mesmo estilo trágico são, em 1804, a sombria Sonata para piano em fá maior Op. 57 - Apaixonado, e o segundo ato da única ópera de Beethoven, Leonora (mais tarde rebatizada Fidélio). Mas ao mesmo tempo, em 1804, escreveu o mestre a triunfal Sonata para piano em dó maior Op. 53 - Aurora (ou Waldstein) e, depois de duas aberturas menos bem logradas para a ópera, a Leonora n.º 3 (1806), que conquistou a sala dos concertos, talvez a mais gloriosa de todas as aberturas. Do ano de 1806 também são o intensamente lírico Concerto para piano n.º 4 em sol maior Op. 58, o majestoso Concerto para violino em ré maior Op. 61, e os Quartetos Op. 59, em fá maior, mi menor e dó maior, dedicados ao conde Rasumovsky, os quartetos mais brilhantes que existem.
Depois as obras-primas seguem-se sem interrupção: a trágica Sinfonia n.º 5 em dó menor (1805-1807), a mais famosa de todas, e a não menos trágica abertura Coriolano (1807), a idílica Sinfonia n.º 6 em fá maior - Pastoral (1807-1808), a sombria Sonata para piano e violoncelo em lá maior Op. 69 (1808) e o Trio para piano em ré maior Op. 70 (1808), de profunda melancolia; em 1809, a Sonata para piano em mi bemol maior Op. 81 - Os adeuses. Em 1810, a música de cena (incluindo grandiosa abertura) para a peça de Egmont, de Goethe; em 1812, a Sinfonia n.º 7 em lá maior, a mais intensamente poética de todas, a humorística Sinfonia n.º 8 em fá maior (1812) e o justamente famoso Trio para piano em si bemol maior Op. 97 - Arquiduque; enfim, em 1812, a última Sonata para piano e violino em sol maior Op. 96, despedida poética da segunda fase.
Terceira fase - Depois das festas de 1814, Beethoven, agora completamente surdo, retira-se para a solidão, elaborando uma música totalmente diferente, abstrata, interiorizada. O pórtico da terceira fase é a gigantesca Sonata para piano em si bemol maior Op. 106 - Sonata para piano (1818). Seguem, 1820-1822, as três últimas sonatas para piano, em mi maior Op. 109, em lá bemol maior Op. 110 e em dó menor Op. 111. A última, Op. 111, seria - dir-se-ia - o sacrossanto testamento pianístico de Beethoven, se não tivesse escrito, em 1823, as 33 Variações sobre uma valsa de Diabelli Op. 120. Sobre um tema banal, a maior obra de variações da literatura musical.
Do mesmo ano de 1823 são a Sinfonia n.º 9, que o coral do último movimento, que assustou os contemporâneos e é hoje a obra mais popular do mestre, e a gloriosa Missa solene, obra de religiosidade livre de um grande individualista. Em 1824 inicia Beethoven o ciclo dos últimos quartetos: em mi bemol maior Op. 127, em lá menor Op. 132 (1825), em si bemol maior Op. 130 (1825), do qual foi separada a Fuga final Op. 133. Enfim, em 1826, o Quarteto em dó sustenido menor Op. 131, mais uma dessas obras gigantescas para o pequeno elenco de quatro instrumentos de cordas, e o comovente último Quarteto em fá maior Op. 135 (1826). São obras de inigualável profundeza artística e grandes documentos humanos.

Beethoven - Minha coleção
Essa você conhece! O midis abaixo correspondem às músicas mais conhecida de Beethoven. É só clicar e ouvir!










AS MIL FACES DE JOHNNY DEPP

JOHNNY DEPP

JOHNNY DEPP

HUMOR DA NAHH

The current mood of nahh at nahh