sexta-feira, 10 de setembro de 2010

ELES SÃO OS ÍDOLOS DE JOHNNY DEPP-Descobrindo clássicos de Karloff e Lugosi

Já comentei várias vezes que eu sempre corro atrás dos filmes antigos que nunca tive oportunidade de ver, por uma razão ou outra. A mais óbvia é que não tinha idade para conhecê-los e, antes da chegada do Home Vídeo, a gente tinha que viajar para conhecer melhor a história do cinema.
Sempre ouvi falar muito bem de dois ícones do cinema de terror, o inglês Boris Karloff (1887-1969), e o húngaro Bela Lugosi (1888-1956), que criaram, respectivamente, os papéis de o Monstro de Frankenstein e o Drácula, de Bram Stoker. Lugosi é mais lembrado por seu triste final de carreira, quando participou dos filmes do pior diretor de cinema em todos os tempos, Edward Wood Jr., em particular de Plano 9 do Espaço Sideral (Lugosi foi vivido muito bem no filme de Tim Burton por Martin Landau, no filme Ed Wood, de 94).
Bela Lugosi como Drácula
Naturalmente, conheço os trabalhos mais famosos deles mas nunca tive oportunidade de ver os filmes que eles fizeram juntos na Universal, entre 1932 e 40, todos muitos influenciados pela movimento expressionista alemão. Cinco deles foram reunidos numa caixa da Universal americana, chamada The Bela Lugosi Collection, bem econômica (os cinco estão num único DVD, até porque quase todos eles tem pouco mais de uma hora de projeção).
Meu amigo, já falecido, Rubem Biáfora, que viveu essa época, sempre me recomendou esses trabalhos, já que ele lamentava o preconceito que público e crítica costumam ter, confundindo personagem com ator. Ou seja, quem interpreta sempre galã ou mocinha, ou vilão ou mulher fatal, a tendência é que os atores fiquem estereotipados e o público não os aceite de outra forma. Embora possam ter muito mais talento do que tiveram chance de mostrar.
Foi o caso de Karloff, que tinha uma voz profunda e que ainda teve a sorte de ser redescoberto no fim da carreira, por Bognadovich. Ambos eram atores treinados no teatro clássico, de longa formação, mas que ficaram presos a interpretar vilões e monstros, em geral em produções B e C. Já era o começo do preconceito que existe até hoje contra os filmes de fantasia, suspense e terror. Coisa absurda mas real.
Boris Karloff como Monstro de Frankenstein
O que mais gostei da coleção foi Os Assassinatos na Rua Morgue (Murders in the Rue Morgue), de 1932, do pouco estimado, mas ótimo, Robert Florey. Inspirado no conto de Edgar Allan Poe, que é considerado o primeiro conto policial da história. É esplendidamente expressionista, em cenografia, em direção de arte, fotografia. Tem até diálogos adicionais de John Huston! Lembra muito O Gabinete do Dr. Caligari. Lugosi faz o vilão, o Dr. Mirakle, que sequestra mulheres para lhe injetar sangue de gorila! Uma obra-prima que merece ser redescoberta!
Poe está novamente presente em O Gato Preto (The Black Cat), de 1934, de outro diretor cult, Edgar Ulmer. Seus poemas são várias vezes citados, mas o filme é uma alegoria bizarra, com cenografia estilizada e modernista, sobre um casal em lua de mel na Hungria, após a Primeira Guerra, que vai parar na casa e nas garras de um cientista louco (Karloff) que faz experiências com tortura. Lugosi faz outro médico que esteve preso por anos e agora tenta salvar a filha. Tudo muito gótico e com maravilhoso preto e branco. Naturalmente o terror é mais sugerido do que as coisas explícitas de hoje em dia. Ah, Lugosi tem fobia de gatos!
Depois desses dois filmes, já me senti viciado no gênero e mergulhei em outro encontro da dupla, O Corvo (The Raven), de 1935, do diretor Lew Landers (que na época se assinava como Louis Friedlander). Outra vez Poe. Agora um brilhante cientista obcecado pelo autor, salva uma bela dançarina e acaba enlouquecendo. Lugosi faz o excêntrico Dr. Vollin, que sequestra a moça e a leva para um calabouço, que lembra The Pit and the Pendulum, com a ajuda de um criminoso que transformou em monstro (Karloff). Foi feito quase como continuação de Gato, que havia sido campeão de bilheteria no ano anterior.
O Corvo
Os dois filmes seguintes já são mais inferiores, O Raio Invisível (The Invisible Ray), de 1936, de Lambert Hillyer, já cai na ficção científica em que Karloff faz o cientista louco, e Lugosi o bom filantropo. Mais estranho do que assustador.
Sexta-Feira 13 (Black Friday), 1940, de Arthur Lubin (mais à vontade, com histórias das Mil e uma Noites), com Lugosi como gângster que atropela um professor e Karloff como o cientista que faz um transplante de cérebro no professor, porque deseja saber de um dinheiro escondido. Já começa com Karloff morrendo na prisão e entregando um diário para um jornalista. Chega até a ser curioso, mas são os três primeiros que se inscrevem como grandes filmes do gênero, até agora inéditos em DVD no Brasil.

AS MIL FACES DE JOHNNY DEPP

JOHNNY DEPP

JOHNNY DEPP

HUMOR DA NAHH

The current mood of nahh at nahh